Os 5 Piores Fillers de Dragon Ball

O seriado infantil Dragon Ball adapta a Jornada ao Oeste, ao menos em seu início, mas logo depois seu criador, Akira Toriyama começa a inserir outras influências a sua obra, fato que ajudou ele a solidifica-lo como um belo exemplar de aventura repleta de ação. No entanto, para que a animação não alcançasse o mangá, foram inseridos muitos fillers, e dentre esses insuportáveis separamos os cinco mais impertinentes.

Pilaf e a Falsa Esfera do Dragão

Isso é logo no começo, no episódio 30, onde Pilaf é passado para trás por um comerciante, que faz esferas do dragão falsas e as vende por aí. Esse senhor teve um fim trágico, mas o que é mais estranho nisso tudo é que as esferas são itens mágicos, que poucas pessoas tem ciência da existência, mas para a Toei é completamente normal que tenha um comerciante fazendo elas em alta escala para vender como um simples larápio…Não há logica alguma nisso, e se torna tudo ainda mais bobo quando Pilaf, Goku e a Red Ribbon caem nessa.

Goku Viaja no Tempo

Em meio ao treinamento com Mister Popo acontecem alguns dos fillers menos desnecessário de toda a série, onde se aprofunda o método de Kami-Sama em instruir seus pupilos. Mas, em um deles Goku entra na sala do tempo e acaba voltando muito tempo no passado, para a época em Kame era jovem, assim como Tsuru, e ainda eram discípulos do Mestre Mutaito. A trama é boba e trata o espectador como imbecil, além de já mostrar que Kame era extremamente desrespeitoso com as mulheres desde sempre, o que nem é um problema em si, mas que só está lá para ser gratuito, basicamente. Não há motivo para fazer essa regressão, uma vez que sequer se ensina o mafuba para o garoto, enfim, desnecessário até a alma.

Imitação de Mad Max

Logo depois da micro saga da Vovó Uranai, Goku vai fazendo andanças desnecessárias, e encontra uma vila onde tem uns rapazes que fazem muitas algazarras em uma pequena vila. Goku que já havia lutado muito, procurava adversários pelo mundo e obviamente que não achava nenhum de nível bom nessas andanças e esse seria um clichê de filler cada vez mais presente… Enfim ele chega nesse vilarejo onde dois vilões que imitam o visual de Mad Max 2 ameaçam as pessoas comuns, dizendo que poderiam prender essas pessoas engarrafando-as num suposto item mágico, e acontece uma das lutas mais desiguais e anti climáticas da série. Tudo é extremamente bobo e sem necessidade de acontecer, de novo…

Interação entre Goku e Chichi no final do anime

Chichi é reintroduzida no Torneio de Artes Marciais que fecha o seriado, como uma mulher raivosa que tenciona vingança contra Goku, que não se lembrava da promessa que fez a ela de se casar. Para tentar aplacar o impacto de logo no início de DBZ, quando Goku já aparece pai, há uma série de cinco episódios, exatamente os finais, que mostram os dois agindo em dupla, chegando ao cúmulo de mostrar eles casando, o que nem é tão ruim, mas as lutas que os dois se metem, para tentar arrumar um artefato que apagaria o fogo do castelo do Rei Cutelo é de querer morrer de tão enfadonho que é, mesmo a presença do vovô Gohan não salva o enredo, já que ele é sub utilizado. Chichi que antes parecia ser só fútil, por só pensar no tal casamento, também é mostrada como uma pessoa muito chata.

A Lenda do Dragão

Em um episódio todo errado (em que Blue enfrenta boxers) Kame explica pra Lunch e Kuririn, de que no passado era uma única esfera gigante e depois foi dividida, e daí vem um show de mitologia toda errada, e isso é bizarro, porque ele mesmo carregava uma em seu pescoço, e deu a Bulma na primeira saga sem saber absolutamente nada sobre elas… A distância entre os dois momentos era de trinta episódios, e bem pouco tempo corrido entre um e outro, além disso, o acréscimo de mitologia é bem fraco e até imbecil, além de extremamente ilógico.

Facebook – Página e Grupo | Twitter Instagram.