Aaron Taylor-Johnson | “Foi um alivio não ser indicado ao Oscar”

“Me senti aliviado quando minha esposa contou que eu não tinha sido indicado”, disse Aaron Taylor-Johnson um dia após a divulgação dos indicados os Oscar desse ano. Isso obviamente não é o sentimento mais comum que ouvimos de atores quando lhe fazem esse tipo de pergunta, que por sinal recebeu uma estatueta no globo de ouro por ator coadjuvante em Animais Noturnos, de Tom Ford.

O ator inglês casado com a diretora de 50 Tons de Cinza, Sam Taylor-Johnson ao menos durante a premiação parecia estar muito surpreso por ter recebido tal prêmio e ainda não estava assimilando que havia vencido enquanto andava até o palco, ele parecia tão surpreso quanto quem estava assistindo, afinal tirou a premiação do favorito da noite Mahershala Ali. Agora que foi ignorado pela academia, que por sinal foi seu colega de trabalho Michael Shannon que recebeu a indicação, agora ele pode relaxar e sentar na poltrona para acompanhar a frenética temporada de premiações que ocorrem todo inicio de ano. “Chegar em casa após ter conseguido um globo de ouro foi brilhante, mas eu tenho promovido animais noturnos há quase seis meses. Como ator, você prefere colocar essa energia em algo criativo. Foi bom ter finalmente saído dessa jornada.”

O ator ainda encontra dificuldades em pensar que é capaz de receber esse tipo de indicações pelos seus papéis, desconsiderando seus trabalhos atuais seu papel mais famoso é como Kick-Ass (2010) e o mal recebido reboot de Godzilla de 2014. “Não importa quando vezes eu leia um roteiro eu começo a reconsiderar qual papel eu deveria estar fazendo. Eu olho pra alguns papeis e penso que esse deveria ser do Domhnall Gleeson, por exemplo, e não meu”.

Ele estava completamente incerto quanto a interpretar o personagem Ray Marcus em Animais Noturnos, um personagem sujo e sombrio em corpo e alma. E foi nessa incerteza que o diretor Tom Ford sentiu que deveria considera-lo para essa desarticulada figura de mal, Taylor-Johnson se lembra que se sentiu “levemente perplexo” pela descrição. A certo ponto, ele se aproximou do diretor e falou ” Eu não acho que consigo te entregar o que você precisa; Eu não sou bom nisso” Hoje ele agradece dizendo “O Tom viu algo em mim!”

Por e-mail Ford comenta que exitou ao escalar Taylor-Jonson com medo de estragar uma amizade. “Eu conheço a esposa dele há 20 anos”, ele explicou, “Estávamos jantando outra noite, e Aaron estava contando uma história, do nada ele muda completamente, eu tive esse insight naquela hora que ele poderia com certeza ser o Ray”.

Para incorporar Marcus, Taylor-Johnson teve uma completa imersão em pesquisar serial killers e consumiu uma quantidade desagradável de cerveja e cigarros. “Eu queria me sentir tóxico por dentro. Minha esposa é muito adorável e compreensiva, mas foi realmente um alivio quando terminamos as gravações”. Em preparação para seu próximo papel, um Sniper na guerra do Iraque no próximo filme de Doug Liman, The Wall, Taylor-Johnson entrou em contato com Bradley Cooper, que deu muitas dicas de como se situar nesse tipo de clima.

Um dos motivos que o deixou feliz de estar fora da sessão de premiações do Oscar é que aos 26 anos, o ator já experimentou poucas e boas dificuldades com a imprensa, geralmente questionando como um casal que tem 23 anos de diferença se mantêm juntos. O casal se conheceu durante as filmagens de O Garoto de Liverpool em 2009, eles se casaram em 2013. “A atenção era completamente intrusiva. Ter que lidar com isso tão cedo na minha carreira me deixou numa situação que eu posso dizer ‘ok, chega’ do que ter que ser tolerante com esse tipo de pergunta em toda entrevista. Entendo que nunca vou ser uma Jennifer Lawrence ou Tom Cruise. Alguém que consiga dar conta de um filme só com o próprio carisma pra promover um lançamento. Eu não tenho o que eles tem, mas me sinto confortável onde estou”.

Ele não tem nenhum projeto a seguir. Geralmente só grava um filme por ano pra poder passar o resto do tempo com sua esposa e suas quatro filhas. Ele comenta que ainda se sente empolgado de filmar algo pós globo de ouro, “A experiência ainda é muito recente. Eu sei que se eu fazer demais eu vou começar a estragar tudo eventualmente, mas tenho encontrado muita gente em estúdios. É muito interessante estar nessa posição de que você é considerado para outros projetos. Eu quero trabalhar com grandes diretores. Eu peguei um papel num filme baseado em personagens que se vêem em colapso porque esses diretores não são grandes visionários, mas são grandes diretores”.

Fonte: New York Magazine.