Cinema

Crítica | 007 Contra Goldfinger

Compartilhar

O início de 007 Contra Golfinger apresenta o James Bond original, Sean Connery, lidando com uma ação "típica" de espiões (ao menos dos super espiões) ao sair de um submarino para plantar uma bomba. O espião britânico era um sujeito único, bem humorado, charmoso e elegante. Era capaz de sair ileso, ostentando paletó e gravata elegante mesmo após causar tumulto com explosivos.

Para além da estrondosa música de abertura, executada por Shirley Bassey, Goldfinger possui a maior parte das marcas da franquia: a violência extrema que Bond é obrigado a impor, a sedução de belas mulheres, uso de carros de luxo, a presença de Félix Leiter (Cec Linder), o machismo galopante do herói, vilões característicos, as péssimas cenas em chroma key e, claro, todo o garbo do interprete escocês. Uma estrutura que seria utilizada em filmes posteriores com marcas que acompanhariam outros Bond.

A produção é a primeira dirigida por Guy Hamilton que faria ainda outros três da franquia, além do icônico Remo: Desarmado e Perigoso. O diretor ficaria tão marcado pela grandes cenas de ação em sua filmografia que foi cotado para conduzir Superman: O Filme, e, posteriormente, o Batman de 1989. Sua direção se destaca  emvcenas de perseguição em alta velocidade, sempre muito tensas, e pelas inúmeras trocas de tiro e pelas lutas entre mocinhos e bandidos. Hamilton é também responsável pelos melhores momentos dramáticos de Connery, embora neste papel o que mais se exija dele é uma face sedutora e charmosa, não necessariamente dramática.

A trama apresenta a tradição narrativa de Bond, com o vilão central, o criminoso magnata Goldfinger, tentando destruir uma reserva de ouro americana. O personagem entra em cena antes dos personagens icônicos parceiros de Bond como M, Q e Moneypenny. Sua representação é de um sujeito maligno, mas não necessariamente megalomaníaco com planos de dominação mundial. Seu conflito com Bond se resume ao incômodo de ver seus golpes atrapalhados, além de dar vazão a sua extrema competitividade no  golfe e o carteado. Mas também possui traços exagerados como as mulheres pintadas de ouro devido a traição. Um escapismo fantasioso que destoa um pouco da abordagem sempre austera do espião de Ian Fleming. A partir disso, o grau de eventos fantásticos ocorreriam mais vezes em produções futuras.

Além do personagem-título, o capanga Odjjob, um havaiano halterofilista executado por Harold Sakata, se destaca. Principalmente devido a sua estranha arma: uma cartola com abas afiadas, capaz de decepar até mesmo estátuas de gesso. As filmagens do capanga com o herói foram tão intensas ao ponto de lesionar Connery nas cenas de luta. O bandido se tornou tão icônico que foi representado fora das delas como no clássico jogo Goldeneye de  Nintendo 64, como personagem para utilizar via código.

Já a parte dos artefatos tecnológicos são bem mais tímidos do que produções recentes. Desmond Llewelyn apresenta para James um Aston Martin DB-5 modificado com radar e capacidade de mudar a placa de localidade e assento ejetor. O roteiro é cuidadosamente feito para dar vazão a cada uma dessas funções, não é exagerado como seriam nas fases menos comedidas.

A produção tem momentos bem engraçados, como a recorrência da piada do personagem principal estar sempre sendo desacordado, e outros de tensão, com direito a uma arma a laser que miram suas partes íntimas em um claro simbolismo a um ataque a sua virilidade, evento revisitado deem 007: Cassino Royale, quando o vilão chicoteia as partes do agente.

O final de 007 Contra Goldfinger embora seja um bocado estranho e confuso, cheio de reviravoltas, é charmoso, sabendo conduzir bem seus clichês. Resultando na adaptação mais acertada do diretor com o personagem, uma das narrativas mais icônicas baseada na literatura de Fleming.

Filipe Pereira

Filipe Augusto Pereira é Jornalista, Escritor, quer salvar o mundo, desde que não demore muito e é apaixonado por Cinema, Literatura, Mulheres Rock and Roll e Psicanalise, não necessariamente nessa ordem.
Veja mais posts do Filipe
Compartilhar