Cinema

Crítica | A Hora da Sua Morte

Compartilhar

Conduzido por Justin Dec, estreante na direção de longas metragens, A Hora da Sua Morte começa divertido e descompromissado, em uma festa americana cheia de jovens que bebem e discutem sobre a rotina comum, até que o assunto cai em aplicativos. Uma das moças diz que baixou Countdown, um app que descobre a hora da morte de quem utiliza o acessório, e de fato, neste inicio, ocorre uma morte anunciada pelo software bastante violenta e misteriosa.

A estética e narrativa de terror é bem formulaica, usando a demonização da tecnologia como mote para o anúncio da morte. Após o prólogo, uma outra personagem é apresentada, a jovem e bela Quinn, uma enfermeira vivida por Elizabeth Lail, e além do dia a dia no hospital, é mostrado também que ela tem problemas familiares bastante sérios, morando com seu pai recém viúvo e com sua irmã mais nova.

A forma como as vidas são ceifadas faz lembrar um bocado da cine serie Premonição/Final Destination, no sentido das mortes serem criativas e com alguma interferência sutil do sobrenatural. O que não é nada discreto são os métodos de prender o espectador. Dec usa e abusa de sustos fáceis e aposta em uma trilha que transita rapidamente entre o mudo e o som estrondoso.

O filme se baseia demais em clichês, não só nas questões familiares e na universalidade da rebeldia dos jovens, mas também nas tentativas de burlar o destino. Há também um incomodo uso de lições de moral, o que também não faz sentido, pois se a morte está “errada” ao buscar a vida dos vivos, louvar a moralidade é concordar com o ceifador, já que é a lógica conservadora e até religiosa para agir. A grande piada de punir as pessoas que baixam conteúdo digital sem ler os termos de uso também é uma tola tentativa do roteiro de parecer esperto, e no final soa apenas como tolice.

Ao menos o filme é bastante violento, desde a introdução  até o desfecho, agradando assim o cinéfilo que gosta de cinema gore. Esse poderia ser um produto como o relativamente recente Amizade Desfeita, que também se vale de aspectos on line para apresentar seu terror. No entanto, as situações obvias e os personagens rasos que aparecem dão a quem assiste A Hora de Sua Morte a sensação de que  a historia que estão acompanhando é redundante e artificial, dado que não se apresenta nada novo, e o que é requentado prima pela monotonia.

 

Filipe Pereira

Filipe Augusto Pereira é Jornalista, Escritor, quer salvar o mundo, desde que não demore muito e é apaixonado por Cinema, Literatura, Mulheres Rock and Roll e Psicanalise, não necessariamente nessa ordem.
Veja mais posts do Filipe
Compartilhar