Cinema

[Crítica] Indignação

Compartilhar

Do que se trata isso tudo?, perguntou o jovem judeu Marcus Messner, personagem muito bem defendida pelo ator Logan Lerman (Percy Jackson), a seus pais. Estamos no ano de 1951 em meio a Guerra da Coreia. Marcus sofre com a superproteção de seus pais; o medo de perder o filho para a guerra é uma constante. A saída encontrada pelo jovem foi o ingresso numa Universidade em outra cidade. Não consigo mais aguentar. Não consigo. Graças a deus vou embora, completou Marcus. Mal sabia ele que esse era o início da maior indignação de sua vida.

Chegando ao alojamento da Universidade, Marcus começa a se deparar com o forte antissemitismo presente naquele universo acadêmico. Um de seus companheiros de quarto ironiza: “Que coincidência, três judeus num mesmo quarto!”. E esta temática será ainda melhor desenvolvida através dos excelentes diálogos que o jovem Marcus terá com o reitor Dean Caudwell, desempenho brilhante do ator Tracy Letts. Mesmo ele se indignando e não aceitando o antissemitismo sofrido por ser ateu, Marcus travará grandes embates em sua jornada com argumentos para defender suas raízes e pensamentos e combater o conservadorismo dos membros da Universidade.

Se de início o seu intuito era apenas estudar, o que nos transparece com sua recusa em fazer parte de uma fraternidade de judeus ou mesmo continuar a praticar esportes, Marcus muda de ideia ao se encantar com a jovem Olivia Hutton. Mas esse encantamento começa a se dissolver quando o protagonista se choca com os modos libertários com que a jovem lida com sua vida sexual. Marcus não consegue conceber a ideia daquela exuberante garota se desprender da carapaça imposta socialmente de moça boa para casar para alçar voos independentes.

O que mais encanta neste filme é a atemporalidade com que essas duas personagens, Marcus e Olivia, são construídas. Um jovem que não suporta mais seguir um modelo de família judia imposto por seus pais; que tenta encontrar refúgio para seu ateísmo no mundo acadêmico, mas logo se vê imerso numa onda de conservadorismo que tenta condicioná-lo para uma outra direção. Uma jovem que sofre sanções sociais pelos membros da Universidade por ser sexualmente ativa antes do matrimônio; se apaixona por um jovem por acreditar em seu pensamento à frente do tempo durante as aulas, mas que também deixará que o machismo fale mais alto e não aceitará seu comportamento. São personagens facilmente encontradas em nossa fauna contemporânea.

Indignação marca a estreia do roteirista James Schamus na direção. Fiel colaborador dos maiores roteiros da cinegrafia do diretor taiwanês Ang Lee, Schamus acerta num roteiro introspectivo para dimensionar na tela a juventude norte-americana na década de 50. Se em algum momento a narrativa se mostra cansativa, é que no plano moral das personagens a história está tomando consistência para que o final seja tão bem preciso e delicado. Há tempos um filme não nos brindava com aquela deliciosa sensação de agora tudo faz sentido”momentos antes de subirem os créditos finais.

Texto de Autoria de Heitor Benjamin.

Vortex Cultural

Um autômato a serviço do site... ou não.
Veja mais posts do Vortex
Compartilhar