Crítica | Josey Wales, O Fora-da-Lei

Josey Wales

Em 1976, Clint Eastwood dirigiu um dos grandes clássicos do western revisionista, mas que infelizmente não teve tanto alarde como deveria. Josey Wales, o Fora-da-Lei consolidou o nome de Eastwood como um cineasta talentoso, porém, seu devido reconhecimento surgiu apenas anos depois, já que até então Clint carregava o estigma de ser apenas um ator de filmes policiais e westerns, que brincava de dirigir. A história começou a mudar após este clássico.

Na abertura do longa, conhecemos a história do personagem e o que irá ser sua motivação durante toda ela, a vingança de sua família. A história é ambientada durante o fim da Guerra Civil Americana, e nesse período conhecemos Josey Wales (Clint Eastwood), um pacífico fazendeiro que vê sua  família ser assassinada brutalmente por um grupo de soldados que apoiam a União. A única coisa que restou em Wales foi uma cicatriz em seu rosto, como lembrança do acontecido e simboliza sua dor interior que ele passaria a carregar. Ao se ver sem família e sem lar, Wales parte em busca de vingança e se junta a um bando de soldados confederados esperando a oportunidade de encontrar aqueles que destruíram sua vida. Em pouco tempo, Wales se torna uma lenda entre as tropas do Norte e do Sul, conhecido como um grande pistoleiro de poucas palavras,  porém, quando a guerra acaba, ele se recusa a se render à União e se torna um Fora-da-Lei com cabeça à prêmio.

Até então temos um típico personagem de western que já vimos Clint interpretar durante muito tempo, inclusive nos filmes do Leone, um sujeito solitário, de poucas palavras, quase invulnerável e que vive por seu próprio código de conduta. Mas Clint consegue demonstrar nuances deste personagem com poucos minutos em tela, deixando claro que ele não é apenas um retrato já conhecido, Wales é um homem íntegro e melancólico e não aquela figura quase sobrenatural do cavaleiro solitário.

Essas mudanças ficam ainda mais claras quando Wales passa a se tornar responsável por um grupo de marginalizados que vagam pelo deserto em busca de algo para se apoiar, entre eles uma família do Kansas que é salva por ele, uma jovem índia e claro, o Chefe Dan George que interpreta um velho índio, que de longe têm os melhores diálogos do filme. O velho índio e Wales têm muito em comum, enquanto o índio perdeu todo seu laço com suas raízes e sente humilhado, Wales perdeu sua família e seu lar, mas ambos estampam toda sua humanidade, um de modo mais aberto, não deixando de falar por um minuto e Wales fechado, com poucas palavras, deixando seus gestos e olhares falarem por si. Aliás, as relações do grupo em geral ocorrem dessa forma, não há muito o que se falar, todos entendem um ao outro.

Eastwood não deixa de fazer uma crítica em relação as tribos indígenas  pois assim como o protagonista, todo aquele povo é impedido à viver de modo pacífico como gostariam e são retirados de seus lares, além de serem confinados em reservas cada vez menores e abandonar suas raízes para se tornarem “civilizados”. Este tipo de crítica pode ser aplicada hoje em dia para qualquer grupo de minorias sem ser necessário pensarmos muito a respeito.

Josey Wales conta ainda com uma fotografia melancolicamente belíssima, retratando muito bem toda a jornada do protagonista e seu bando. A trilha sonora mescla marchas militares com orquestrações de forma único, o que lhe rendeu uma indicação ao Oscar. Indispensável aos amantes de cinema.