[Crítica] Missão: Impossível

mission-impossibleEm 1996, estourou nos cinemas a adaptação da série homônima da década de 60 e 70. Estrelado pelo super astro Tom Cruise e dirigido por Brian DePalma, Missão: Impossível foi um sucesso de bilheteria, mas foi totalmente execrado pelo elenco original da série, que detestou o tratamento dado aos personagens que interpretou e também o fato de o filme concentrar todas as atenções em Cruise em vez de focar na equipe, assim como o seriado fazia. Entretanto, este foi o início de uma das cinesséries de maior sucesso recente e uma das mais queridas do grande público.

Na trama, a equipe liderada por Ethan Hunt (Cruise) e Jim Phelps (Jon Voight) é quase totalmente dizimada após uma emboscada em uma missão que visava recuperar um disco com a identidade de todos os agentes secretos ativos no mundo, com Hunt e a esposa de Jim Phelps sendo os únicos sobreviventes. Porém, Ethan acaba por ser acusado de ser um agente duplo que traiu a equipe e passa a ser perseguido pela própria agência. Só que Hunt junta um grupo de espiões renegados para poder rastrear e encontrar o verdadeiro responsável pela traição.

Missão: Impossível foi escrito por roteiristas badalados. Sydney Pollack cunhou o esboço original que depois foi trabalhando por David Koepp, Steve Zaillian e Robert Towne. Brian DePalma quando assumiu, planejava um filme de orçamento em torno de 40 milhões de dólares com enfoque maior na espionagem. Entretanto, Tom Cruise (também produtor da película) pensou em uma obra mais voltada para ação e conseguiu uma verba de 80 milhões de dólares para gastar em sequências grandiosas. Porém, isso acabou resultando em um filme que não sabe exatamente o que é, uma vez que vive de freio de mão puxado. Nem descamba pra ação descarada e nem pra uma intrincada trama de espionagem à moda antiga. Esse problema prejudica o desenvolvimento do roteiro na tela, pois somos apresentados a situações que acabam se resolvendo de maneira genérica (exceto a cena do cofre da CIA) e a personagens que não têm personalidade alguma, ainda que sejam importantes dentro do plot.

DePalma consegue imprimir sua marca em algumas sequências bem interessantes, principalmente nas de maior suspense. A já mencionada cena do cofre é uma aula do diretor sobre como fazer uma cena de tensão. Outro momento em que ele vai muito bem é na sequência final que acontece no trem bala. Toda a preparação e desenvolvimento da cena no interior dos vagões têm um quê de Alfred Hitchcock, sua declarada inspiração-mor. O único senão é que assistindo ao filme hoje, os efeitos especiais da parte exterior do trem, onde se desenvolve todo o clímax do filme, parecem datados e entregam a idade da película. Ainda assim, é uma ótima cena. DePalma filma como poucos as expressões faciais de seus atores, sempre com ênfase em seus olhares. Porém, o roteiro hesitante não permite que ele desenvolva bem os personagens e suas relações interpessoais.

Em relação às atuações, Tom Cruise está carismático como sempre e defende seu Ethan Hunt com competência. Jon Voight segue a mesma linha interpretando Jim Phelps, mentor do personagem de Cruise. A linda Emmanuélle Béart não compromete, mas a sua personagem não gera apelo nenhum. Ving Rhames se sai bem como Luther e Jean Reno termina por fazer o papel de “europeu genérico”. Vale ainda o destaque da ponta não creditada de Emilio Estevez como membro da equipe dizimada de Cruise no início do filme.

Mesmo não tendo envelhecido muito bem e sendo hesitante em se assumir como filme de espionagem ou de ação, Missão: Impossível é uma boa obra que possui qualidade superior a muitas que são lançadas e costumam ser bem elogiadas por crítica e público.