Cinema

Crítica | Muito Barulho Por Nada

Compartilhar

Much Ado Whedon

Shakespeare talvez seja um dos autores mais adaptados pelo cinema. Em versões de época ou modernizadas, fiéis aos diálogos ou adaptadas, de menor e maior sucesso, há centenas de filmes baseados em peças shakespearianas, muitas vezes, diversas versões para a mesma peça. Ainda assim, soou surpreendente quando Joss Whedon, recém-saído das filmagens de Os Vingadores, anunciou sua própria versão de Muito Barulho Por Nada.

O filme foi feito em doze dias de  pausa nas filmagens da franquia. Whedon ainda tinha direito aos equipamentos, embora a equipe estivesse de folga e, portanto, juntou alguns amigos em sua casa na Califórnia e filmou com orçamento mínimo a comédia clássica. Em algumas entrevistas, ele afirmou que foi uma brincadeira de amigos, algo como dar uma festa muito elaborada, e a sensação do filme é exatamente essa.

Muito Barulho Por Nada é, como a maior parte das comédias de Shakespeare, menos conhecida que suas tragédias. A história se passa em Messina e apresenta dois casais de amantes, um que terá que superar as armações de um vilão invejoso, e outro que, sem querer, descobrirá que não despreza tanto assim o amor. A trama dupla é cheia de tiradas verbais, trocadilhos, disfarces e armações e Whedon capta maravilhosamente seu espírito.

A mistura de cenário contemporâneo com diálogos do século XVI é delicada: há adaptações de Shakespeare que soam artificiais, deslocadas, estranhas. Mas aqui, a casa com ares de terraço italiano e a visível despretensão dos atores faz com que o filme ganhe ares de se passar fora de qualquer tempo e espaço, a história torna-se uma fábula, algo como uma parábola sobre amores e amantes. Esse ar de descompromisso e a preocupação zero com o realismo da coisa dão charme e colocam Muito Barulho Por Nada em algum lugar entre o cinema e o teatro filmado.

A peça se passa toda no castelo de Leonato, com personagens entrando e saindo ou passeando pelos jardins e Whedon não tenta complicar a cenografia. Os atores se deslocam em uma casa de decoração limpa, sofisticada, mas sem grandes adornos. Isso contribui para a atmosfera de sonho e permite que a ação se concentre e o espectador tenha mais facilidade em acompanhar a trama intrincada e os ricos diálogos. A complexidade da prosa e a rapidez das falas, aliás, são um dos poucos problemas do filme: o texto em inglês é original (apenas uma alteração foi feita, para retirar uma fala anti-semita) e as legendas acompanham a tradução em português da obra. No entanto, os atores falam rápido, sobretudo nos momentos em que Beatrice e Benedick (um dos casais de protagonistas) trocam insultos irônicos e às vezes torna-se difícil acompanhar.

Ainda assim, a ironia do texto e o ar espirituoso dos atores faz com que a comédia funcione. Os diálogos entre Beatrice e Benedick são deliciosos, trocas divertidas e bem humoradas de falas inspiradas onde pode se ver claramente que os dois atores se divertem tanto, ou mais do que a plateia. E o charme de Muito Barulho Por Nada é bem esse: um filme em que todo mundo parece se divertir.

Mais do que a ironia, o diretor respeita as "incorreções" do texto: há sempre uma taça de vinho na mão de um personagem e closes na bela Beatrice engolindo a sua de uma vez só. Honrando um texto que deveria ser bastante escandaloso para sua época, o diretor não se priva de sequências bastante sensuais e constrói uma tensão quase palpável entre seus protagonistas.

A impressão geral (e a verdade, provavelmente) é que Joss Whedon fez um filme para si mesmo e seus amigos, juntou-os em casa e arranjou uma desculpa para beber vinho (muito vinho é consumido pelos personagens ao longo do filme), dar festas e recitar o dramaturgo inglês. A fotografia em preto e branco dá uma cara minimalista ao que poderia ser mínimo e a acidez do texto é honrada pelas atuações excelentes. É um filme divertido, leve, lindo e delicioso, ao final a vontade é implorar para que Whedon dê mais festas e adapte mais peças de Shakespeare.

-

Texto de autoria de Isadora Sinay.

Vortex Cultural

Um autômato a serviço do site... ou não.
Veja mais posts do Vortex
Compartilhar