[Crítica] Sutis Interferências

sutis-interferencias-arto-lindsay

A filmografia de Paula Gaitán é bastante peculiar, uma vez que a linguagem que é empregada pela diretora nascida na França e que tem nacionalidade brasileiro colombiana desde os anos oitenta reproduz muito de seu repertório como artista plástica, uma vez que o roteiro de suas obras não necessariamente segue uma métrica minimamente normativa. Sutis Interferências é um pouco menos hermético que Noite (exibido em 2014), mas prossegue em uma proposta de elucubrar sobre a arte de modo tão lírico quanto a feitoria do biografado, o cantor, multi instrumentista e produtor musical Arto Lindsay.

É bastante curioso que uma diretora de pátrias plurais se coloque como personagem na cine-biografia de um musicista estadunidense que viveu a maior parte da sua juventude em terras brasileiras. Não há espaço para grandes explicações no filme, só a demonstração do trabalho de Arto, que transborda influências diretas do tropicalismo que tomou o cenário musical tupiniquim.

Para entender melhor a proposta da película de Gaitan, é preciso ser versado na trajetória musical de Arto. É literalmente um filme para o fã, para quem já admira o músico, uma vez que os momentos de Jam Sessions passam por todos os gêneros que o mesmo se inseriu dentro e dora do mercado fonográfico norte-americano, refutando a crueza do movimento punk e pós-punk para evocar a new wave com pitadas do tempero brasileiro que o marcou quando residiu no país.

Os desafinos dos instrumentos e o som captado muito perto das caixas visam desconstruir a figura que poderia ser mítica e que aqui é íntima. O mergulho no intrínseco do artista chega a ser angustiante em alguns momentos, muito bem pontuados pelos riffs anárquicos que Lindsay propaga. A grande questão do filme é que sua proposta pouco combina exibições cinematográficas comuns, e perde demais a sua apreciação em qualquer evento onde esse não seja o centro das atenções. Sutis Interferências é um filme que ganharia uma apreciação maior caso fosse a única atração da noite, como em uma peça teatral ou concerto musical e não restrito a uma sala de cinema somente, uma vez que seu caráter é de multi-linguagem desde a sua pré-produção até a entrega do produto final.