Cinema

[Crítica] Um Reencontro

Compartilhar

Um Reencontro 1

Em seu novo Um Reencontro, a diretora Lisa Azuelos reverencia o acaso como catalisador de eventos românticos ao focalizar a vida da escritora Elsa (Sophie Marceau) e do advogado Pierre (François Cluzet) em busca de uma relação amorosa sem prendimentos, uma vez que ambos estão com situações conjugais bastante complicadas. O improvável casal tem um encontro incomum, em meio a uma festa não programada, onde iniciam um flerte difícil de ignorar, dada a empatia entre o par, a despeito de todas as amarras morais que os impedem de ficar juntos.

A configuração dos arquétipos de relação revelam um homem casado, com um fracassado matrimônio, que insiste em se arrastar; e uma mulher recém-divorciada, que já despeja suas necessidades sexuais em um amante mais novo, insaciável até para os seus padrões. Mesmo incomodada, Elsa aos poucos percebe no tabu algo insuficiente para não dar vazão ao desejo carnal que sente pelo jurista, faltando bem pouco para enfim ceder aos instintos humanos mais básicos.

É curioso como a imaginação de fatos futuros realiza-se em uma edição videoclíptica, escolhida muito bem por Azuelos. Além de realizar a fita, ainda interpreta Anne, a esposa “incomodada” de Pierre, uma mulher que ao menos dentro do microuniverso do sonho, é perspicaz em juntar os indícios da óbvia e descuidada traição de seu marido. O peso de uma possível separação legal faz com que ele também tenha receios de tornar real a união que a câmera da diretora insiste em propagar nas belas montagens que faz dos dois em intimidade.

Um Reencontro 3

O roteiro curiosamente remete às possíveis tentações e frustrações sexuais usando o campo das ideias como cenário, uma vez que os atos de interação erótica só ocorrem no desejo mental dos envolvidos ou na repulsa a possíveis traições. Apesar de apelar para tons de humor, e tratar de possibilidade de romances, Um Reencontro foge do arquétipo de comédia romântica por não conter em si praticamente nenhum dos clichês impertinentes dos produtos estadunidenses do gênero, apesar de possuir alguns bordões em comum com fitas francesas. O diferencial está no modo de orquestrar mesmo as situações ordinárias, cuidadosamente escolhidas em sua ordem de anúncio.

A discrição de Elsa e Pierre é levada até as últimas consequências, quando o “grande dia” chega. As fantasias prosseguem cada vez mais intensas, como se preparassem o campo para a conclusão magnânima que o flerte anuncia desde o começo da trajetória, aumentando o nível da expectativa para algo que simplesmente não encontra êxito.

Mesmo nas cenas próximas do final, a eternidade guarda enquadramentos separados, ou dos dois em lugares distintos, ou de figuras espelhadas que exatamente no meio têm sua cisão. A escolha fotográficas de Azuelos não poderia ser mais acertada em sua curta e direta fita, que provoca risos e emoções conflitantes nas personagens e também no espectador, que acompanha sua filmografia cada vez mais eloquente em simplicidade.

Filipe Pereira

Filipe Augusto Pereira é Jornalista, Escritor, quer salvar o mundo, desde que não demore muito e é apaixonado por Cinema, Literatura, Mulheres Rock and Roll e Psicanalise, não necessariamente nessa ordem.
Veja mais posts do Filipe
Compartilhar