Crítica | Uma Mulher Fantástica

Uma Mulher Fantástica é o que todo filme já sonhou em ser, importante. Além de recentemente ser o primeiro filme chileno a ganhar o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, o longa traz uma mulher transsexual como protagonista, tendo a atriz também transsexual Daniela Vega no papel, algo ainda raro de acontecer, mas extremamente necessário e coerente. o longa também é importante por retratar de diferentes formas as múltiplas violências consequentes de preconceitos velados ou não, um grito dolorido de resistência.

Marina Vidal, a personagem de Vega, garçonete e também cantora de clubes noturnos, mantém um bom relacionamento amoroso com um homem mais velho, mas tem que enfrentar o sistema após a morte desse namorado. Quando o personagem de Francisco Reyes morre, Marina é impedida de passar pelo processo de luto pela família do falecido, acarretando em constrangimentos físicos, emocionais e situações que levam a personagem à humilhação.

O longa é um estudo de personagem extremamente bem feito pelo diretor Sebastián Lelio, que prova isso ao distribuir por toda a narrativa momentos de pura intimidade de sua protagonista, com ela se deparando com seu próprio reflexo, enquanto ele enquadra o rosto da atriz diversas vezes, temos momentos fantasiosos com a personagem que são muito bem colocados e ilustram os grandes blocos do filme. Lelio respeita a personagem-título ao nunca deixar que a transsexualidade seja um truque narrativo, Marina tem tridimensionalidades e são nelas que o longa se prova especial.

E se Lelio soube conduzir bem sua direção visual, é no roteiro que ele faz do simplório o maior agente do caos. Em um determinado momento, a ex-mulher do falecido diz que não sabe o que vê ao olhar para a Marina, mas se justifica dizendo não ser preconceituosa. O longa distribui esses preconceitos velados desde o estourado filho do falecido até um policial desconfiado, e o diretor escancara a ignorância e o ódio enraizados nos mais simples diálogos e gestos, sabendo exatamente onde posicionar sua câmera – como na forte cena em que Marina tem que ficar nua.

Marina é sim uma mulher fantástica, mas Vega é imensurável. Com olhos fortes, a atriz segura a câmera nela como ninguém, e transparece ao espectador entender todos os conflitos de seu papel na sua pele, quando ela fala, sente-se, quando ela olha, atravessa. Uma Mulher Fantástica tem uma fotografia inspirada, uma trilha musical belíssima — ainda que óbvia, mas brilhantemente colocada —, tem momentos inchados e que se retirados não fariam diferença, mas não incomoda, o ritmo se mantém e a jornada da protagonista não se torna cansativa ou enfadonha. Os momentos lúdicos são a cereja no bolo e dá ao filme camadas mais profundas, além de renderem grandes visuais; e falando em visual, o filme tem um dos planos mais importantes nos últimos anos do cinema mundial: Marina, deitada em sua cama se vê refletida num espelho posicionado na sua genitália, vemos apenas seu rosto, mostrando o que realmente importa. E Uma Mulher Fantástica importa, importa que um filme como esse exista, importa que um filme como esse seja brilhantemente realizado como foi, importa que Daniela Vega abra essas portas, importa para a comunidade transsexual, importa para o Chile, e claro, importa para o cinema.

Acompanhe-nos pelo Twitter e Instagram, curta a fanpage Vortex Cultural no Facebook, e participe das discussões no nosso grupo no Facebook.