Cinema

[Crítica] A Volta dos Setes Homens (ou Sete Homens e Um Destino II)

Compartilhar

a-volta-dos-sete-homens

Seis anos após Sete Homens e Um Destino de John Sturges, começaria a história de A Volta dos Setes Homens, longa-metragem de Burt Kennedy, o mesmo que anos mais tarde, faria o argumento de Coração de Caçador. A trama gira em torno do mesmo vilarejo mexicano, onde agora mora Chico (Julian Mateos, que entra no lugar de Horst Buchoolz) e sua esposa Petra (Elisa Montés). A aldeia é atacada por Lorca (Emilio Fernandez) e seus capangas, que tem por hábito dizimar todos os homens das cidadelas vizinhas. Neste ínterim, Petra vai atrás de Chris Adams (Yul Brynner), para que ele reunisse mais uma vez um grupo de homens para ajuda-lo a novamente salvar a cidade.

O orçamento é reduzido demais ao ponto de voltar apenas Brynner. Nem mesmo Vin é interpretado por Steve McQueen, e sim por Robert Fuller. A repetição de plot faz a continuação perder qualquer surpresa dramática, assim como a quase completa falta de carisma dos personagens, exceção feita a Chris. Até Vin é um cowboy apagado, o mesmo se diz do novatos Colbee (Warren Oates), Frank (Claude Akins), Luis Delgado (Virgilio Teixeira) e Lopez (Rudy Acosta) e dos vitimados pelo vilão.

Não há cenas de batalha que meramente se aproximem do caráter de outrora, tampouco há uma trilha sonora tão inspirada como a do primeiro filme, ainda que haja um repetido uso do tema de Elmer Bernstein. Há também uma dificuldade em levar a ação para um nível de batalha mais emocionante, também não há qualquer importância no falecimento dos personagens novos, fato que não ocorria no episódio original, ainda que não se desenvolvesse tanto seus backgrounds.

O único dos embates que foge da morosidade, é o visto próximo do encerramento, onde os habitantes da vila atacada resolvem ajudar o grupo de vigilantes, se valendo de dinamite para atacar os malfeitores. Ainda assim, a coreografia de batalha é bastante fraca e não se tem um grafismo bem elaborado nas mortes de quaisquer pessoas. Ao ser relançado no Brasil em DVD, o filme foi renomeado para Sete Homens e Um Destino II, alcunha que faz mais jus ao produto, uma vez que ele não consegue em ponto nenhum se fortalecer como cinema sem seu antecessor, tendo qualidade semelhante as muitas continuações feitas sob encomenda para televisão.

Filipe Pereira

Filipe Augusto Pereira é Jornalista, Escritor, quer salvar o mundo, desde que não demore muito e é apaixonado por Cinema, Literatura, Mulheres Rock and Roll e Psicanalise, não necessariamente nessa ordem.
Veja mais posts do Filipe
Compartilhar