Os 50 Melhores Pôsteres da Década – Parte 1

Quem não ama cartazes? Apesar de terem perdido seu espaço nas paredes das casas da maioria das pessoas, ainda hoje, mesmo com a mudança radical pra imagens muitas vezes completamente produzidas ou montadas digitalmente eu ainda consigo me impressionar quando o estúdio dá uma chance pra uma ideia  fora da caixa, sem muitas vezes cair no clichê do azul/laranja no cinema. Pra ser sincero isso quase não ocorre, mas quando acontece você acaba querendo levar o pôster pra casa. É quase como não vendesse apenas o filme, mas levasse aquela imagem a um nível de associação muito interessante.

Com uma pesquisa do Collider, chegamos a essa lista reunindo os 50 melhores pôsteres dos últimos 10 anos.

50. Demônio (John Erick Dowdle, 2010)

Uma ideia visualmente chamativa, aproveitando o fato de que não há nenhum nome conhecido na produção e apelando para uma imagem que atraísse o espectador.

49. A Seita Misteriosa (Zal Batmanglij, 2011)

Esse ficou claramente misterioso demais no que o filme tenta promover ao custo de fazer ninguém entender o que é isso sem ter as referências, mas soa completamente diferente de tudo o que vemos por aí.

48. A Visita (M. Night Shyamalan, 2015)

Quantas vezes você já viu um pôster em Ponto e Cruz? A Visita é mais uma experimentação de marketing de Shayamalan bem sucedida.

47. Keanu: Cadê meu Gato!? (Peter Atencio, 2016)

Pôsteres de paródia raramente funcionam mas esse tem dois pontos a seu favor: a) tem um gato nele; b) A cena tem um contexto dentro do filme.

46. Perdido em Marte (Ridley Scott, 2015)

O mais interessante sobre esse cartaz é que a composição dele não só mostra que Marte está na mente de Mark Watney, mas também é sua prisão.

45. O Mestre (Paul Thomas Anderson, 2012)

Usar um teste de Rorscharch para ilustrar os jogos mentais da trama de O Mestre mostra a esperteza do cartaz, assim como do protagonista manipulador.

44. Planeta dos Macacos: A Origem (Rupert Wyatt, 2011)

Apesar de não gostar muito de deixarem o título do filme em segundo plano, nesse caso é uma exceção por brincar com o imagético da franquia original em caminho de seu reboot.

43. Dublê do Diabo (Lee Tamahori, 2011)

Esse é um tipo de pôster que se você passar por ele, volta e olha duas vezes. Ele é super chamativo, saturado e dourado, e chega a confundir o olhar pela pela monocromia.

42. O Segredo da Cabana (Drew Goddard, 2012)

Esse pôster faz um ótimo trabalho mostrando o mistério que a trama esconde, essa é uma ótima forma de você vender a descontrução de um gênero em uma única imagem.

41. 127 Horas (Danny Boyle, 2010)

A simples silhueta das rochas formando uma ampulheta deixa esse cartaz em especial tão minimalista quanto agradável

40. Rainha do Mundo (Alex Ross Perry, 2015)

Emulando pôsteres dos anos 50 de Hollywood, as facetas quase que assombradas de Elisabeth Moss criam uma curiosidade maior ainda sobre a trama do filme.

39. 42: A História de uma Lenda (Brian Helgeland, 2013)

Uma ótima mistura de uma foto dinâmica que faz excelente uso de movimento assim como de perspectiva.

38. Southbound (Roxanne Benjamin, David Bruckner, Patrick Horvath e Radio Silence, 2015)

Além da mais óbvia associação que se pode ter da imagem apresentada, Southbound se trata de uma antologia de terror de 5 partes, devidamente contextualizado pelo pentagrama invertido (estrela de 5 pontas que representa o reino de Satanás).

37. Felt (Jason Banker, 2014)

Todos os cartazes do longa de horror lançado em 2014 tem algum tipo de conotação sexual, indicando um ponto vital da trama. Mas esse é o menos sutil e o menos caprichado deles, apesar disso, bastante chamativo e inventivo.

36. Finders Keepers (Bryan Carberry e Clay Tweel , 2015)

O curioso documentário sobre uma mulher que encontra uma perna humana numa churrasqueira que comprou num leilão conseguiu ter um cartaz que resume tudo isso numa simples imagem.

35. As Bem-Armadas (Paul Feig, 2013)

Emulando o melhor dos filmes de ação e cartazes de jogos dos anos 80, parece que esse pôster de As Bem-Armadas saiu de uma caixa de VHS de locadora.

34. Inside Llewyn Davies: Balada de um Homem Comum (Ethan Coen e Joel Coen, 2013)

Além de remeter a cartazes de shows do Folk e do Blues, ele ganha pontos extras pelo gato desenhado no violão, remetendo ao contexto existente no filme. Além disso, o poster parece até uma gravura em madeira.

33. Corações de Ferro (David Ayer, 2014)

As vezes um pôster é apenas uma ótima fotografia, fazendo uso notável do espaço negativo e do contraste entre os únicos dois elementos na imagem para dar o tom do longa.

32. I Am Big Bird: The Caroll Spinney Story (Dave LaMattina e Chad N. Walker, 2014)

Novamente, uma simples foto que nos faz querer saber sobre esse documentário da história por trás do pássaro da Vila Sésamo.

31. Deadpool (Tim Miller, 2016)

 Eu nem consigo imaginar a reação de quem foi ver no lançamento a essa pegadinha.

30. Rastro de Maldade (S. Craig Zahler, 2015)

Com um quê de homenagem a Drew Struzan, esse cartaz consegue trazer um clima de faroeste e ao mesmo tempo parecer rústico na qualidade da execução do mesmo.

29. Enterrado Vivo (Rodrigo Cortés, 2010)

Se a clara homenagem a Saul Bass na abertura do filme não era suficiente para foi o suficiente para notar as referências aos clássicos de suspense, certamente o pôster que remete a filmes como Anatomia de um Crime e Um Corpo Que Cai reforça a intenção da homenagem.

28. Conan, o Bárbaro (Marcus Nispel, 2011)

Uma coisa que não dá pra deixar de admitir é que pelo menos o material de divulgação do filme do Conan trazia um mínimo de empolgação pro filme. Esse pôster emulando o senso épico que as artes de Frank Frazetta e John Buscema traziam foi um pequeno suspiro de esperança para algo que infelizmente se provou não ser tão bom assim.

27. Invocação do Mal (James Wan, 2013)

Não só pela sombra no canto do cartaz, tudo nesse poster prepara o clima nebuloso e sombrio do longa de James Wan de maneira que poucos filmes mais recentes fizeram.

26. How to Survive a Plague (David France, 2012)

Apesar de simples o cartaz evoca o sentimento de grupo nesse documentário sobre o combate do crescimento do HIV de maneira chamativa.

Acompanhe-nos pelo Twitter e Instagram, curta a fanpage Vortex Cultural no Facebook, e participe das discussões no nosso grupo no Facebook.