Review | Killer Instinct

A franquia Killer Instinct surgiu em meados dos anos 1990 e fez um enorme sucesso. Em meio a grandes títulos de jogos de luta, tal como Street Fighter II e Mortal Kombat, a nova franquia da Rare trazia mecânicas diferenciadas e visual impressionante para a época. Porém, a série morreu cedo, ganhando pouquíssimos novos jogos, e se manteve no limbo por muitos anos.

Mais de uma década se passou e finalmente Killer Instinct foi revivida pelo estúdio Iron Galaxy, sendo um dos primeiros títulos exclusivos do Xbox One. Posteriormente, o jogo foi lançado no PC na plataforma Windows Store e, recentemente, no Steam, ambas as versões muito bem otimizadas.

O jogo apostou em um modelo diferente: você baixa o jogo de graça, tem um personagem disponível para testar e conhecer as mecânicas e, se gostar, pode comprar mais conteúdo de forma separada. Novos conteúdos foram sendo disponibilizados em forma de temporadas. De início, o jogo veio com pouco conteúdo, mas agora, na terceira temporada, já são 29 personagens e diversos modos de jogo. A recente versão do Steam não traz a opção de baixar o jogo de graça para testar, ele já vem completo com todas as temporadas por um preço excelente. Já no Xbox One e Windows Store, esse modelo gratuito ainda prevalece.

A primeira coisa que chama a atenção são os personagens. Killer Instinct possui uma variedade de lutadores com aparências agradavelmente destoantes uns dos outros. Robôs, monge, vampira, bárbaro, esqueleto, dinossauro… no final das contas, o que importa é a diversão. E a variedade vai muito além da aparência. Cada lutador tem uma boa variedade de golpes, muito distintos entre eles. Para entender cada personagem, é necessário um mínimo de dedicação. A lista de golpes é bem completa, com descrições dos golpes e informações bem avançadas, como a frame data. São 29 personagens muito diferentes, o que garante dezenas de horas simplesmente para conhecer a fundo cada um deles.

Vários lutadores do elenco clássico estão de volta (Jago, Orchid, TJ Combo), além de novos personagens (Mira, Sadira) e participantes de outras franquias (Rash de Battletoads, Arbiter de Halo). Existem várias opções de personalizar a aparência de cada um, que não se limita apenas à mudança de cor das roupas. Cada parte da vestimenta pode ser mudada, possibilitando um carnaval bizarro.

A base das mecânicas do jogo são focadas nos combos. É relativamente fácil montar as sequências de golpes mais simples, pois elas seguem uma estrutura lógica muito bem explicada nos tutoriais. Mas, diferente da maioria dos jogos de luta, encaixar o primeiro golpe do combo não significa aceitar calado o dano vindouro. Killer Instinct é famoso pelo COMBO BREAKER, comando que interrompe a sequência de golpes do adversário. O comando é muito simples de fazer: basta apertar um soco e um chute da mesma intensidade de força (por exemplo, soco e chute fracos). Para ter êxito no Combo Breaker, é necessário utilizar botões da mesma força do golpe que deseja interromper. Se você errar um Combo Breaker, aparecerá um X acima do seu personagem durante 3 segundos, tempo que ficará impossibilitado de aplicar um novo Combo Breaker. Parece pouco, mas 3 segundos é tempo suficiente para o adversário encaixar os golpes mais fortes e potencializar o dano sem se preocupar.

Na teoria é simples, na prática nem tanto. Isso porque os combos são rápidos e podem alternar entre golpes fortes, médios ou fracos. E mais, é possível fugir da estrutura básica dos combos, tornando-os mais complexos, e com isso mais difíceis de serem quebrados. Esta é a grande sacada de Killer Instinct: quanto mais você dominar um personagem, você será capaz de executar combos maiores, mais sofisticados e mais difíceis de quebrar. Isso é crucial para ser competitivo. Jogadores experientes conseguem quebrar combos simples com muita facilidade, por isso é importante variar o máximo possível. Golpes fortes aplicam mais dano, porém são mais lentos, e consequentemente mais fáceis de serem quebrados. É preciso ter esses detalhes em mente quando iniciar um combo.

Interessante pensar que o momento de maior atenção e adrenalina do jogo é aquele em que você está apanhando. É importante conhecer os golpes de cada lutador para que seja mais fácil identificar quais são os golpes fracos, médios e fortes, possibilitando o Combo Breaker. E as coisas não param por aí.

Além do Combo Breaker, existem outras mecânicas interessantes: Shadow Counter e Counter Breaker. Não se preocupe, é mais fácil do que parece. Vamos lá.

Shadow Counter utiliza um nível da barra especial (Sombra), fazendo com que você assuma uma postura de contra-ataque logo após uma defesa. Se o oponente te acertar algum golpe durante essa postura, você aplicará um contra-ataque sombrio, que seria algo parecido com os golpes EX do Street Fighter. Golpes sombrios aplicados normalmente durante a luta também consomem um nível de barra Sombria, deixando o golpe mais forte, mais rápido e/ou com alguma propriedade especial.

Já o Counter Breaker é a mecânica mais cruel do jogo. Ele basicamente quebra o Combo Breaker. Sim, nem o Combo Breaker é uma garantia de evitar o dano. Caso seja aplicado com sucesso, o Counter Breaker deixará o oponente travado por 4 segundos, ou seja, 4 segundos sem poder aplicar um Combo Breaker. É claro que a maior recompensa vem com um maior risco. Ao executar o Counter Breaker, o jogador interrompe o próprio combo. Caso o adversário não caia na armadilha, o combo estará interrompido e o jogador ainda ficará alguns instantes vulnerável. Geralmente os jogadores criam armadilhas mentais para que o adversário caia no Counter Breaker. Jogue online contra adversários experientes e veja que é possível cair em 3 Counter Breakers no mesmo combo (experiência própria). Imagina a quantidade de dano…

Para auxiliar o lutador, existe a barra de Instinto, que é preenchida ao longo da batalha. Quando cheia, é possível ativá-la para gerar efeitos que variam de personagem para personagem. Na maioria das vezes, o lutador fica mais rápido, mais forte ou aplica um golpe especial. Ela também permite cancelar golpes no meio de suas execuções, algo parecido com o FADC do Street Fighter IV ou mesmo os V-Trigger do Street Fighter V.

Killer Instinct é um jogo bem sólido e, na medida do possível, balanceado. Entretanto, algumas coisas incomodam bastante.

Por exemplo, é possível ser derrotado com chip damage (o dano recebido ao defender os golpes). Muitos personagens possuem golpes que atingem o oponente com muita facilidade e que tem alcance absurdo. Com isso, basta “farofar” esse golpe para garantir a vitória sobre o oponente que está com um fio de vida.

Alguns golpes permanecem muito tempo na tela, encurralando o adversário com muita facilidade. Esse problema, além de dificultar muito a vida de personagens com pouca mobilidade, também potencializam o defeito mencionado no parágrafo anterior. Por vezes, alguns golpes ficam quase impossíveis de serem evitados, pois se você pular da magia, o adversário te aplica algum outro golpe.

Além disso, algumas vezes o jogo exagera nos efeitos visuais. A tela fica muito poluída com faíscas e brilhos que por vezes atrapalham a visualização detalhada de alguns golpes. General Raam (personagem convidado da franquia Gears of War) consegue encher a tela com criaturas pretas que praticamente cobrem a visão de tudo, e conseguir entender plenamente o que está acontecendo se torna um verdadeiro inferno. E este é apenas um exemplo.

Por mais que o jogo tenha alguns defeitos, o saldo final é positivo. Killer Instinct é bem feito, tem mecânicas sólidas e interessantes, personagens legais, parte sonora excelente e jogabilidade viciante. É possível que seja um dos jogos mais difíceis de dominar, pois é necessário conhecer a fundo todos os personagens para não ser massacrado nas partidas online. Alguns personagens fazem combos bem complicados de se quebrar, resultando em quantidades monstruosas de dano. Mas toda essa tensão de querer aplicar um Combo Breaker, ficar atento para não aplicar golpes aleatórios e cair no Shadow Counter, ou mesmo ficar esperto para não ser vítima do Counter Breaker, Killer Instinct te deixará ligado a cada segundo da partida. Para quem gosta de jogar offline, há vários modos de jogo e um tutorial excelente para explicar as mecânicas do jogo. Aos jogadores mais competitivos, felizmente existe uma boa comunidade online ativa, e ainda crossplay entre PC e Xbox One, aumentando bastante a quantidade de adversários disponíveis. O netcode é fantástico e permite jogar sem lag com desafiantes de outros países. Um jogo único e com muita personalidade.

Acompanhe-nos pelo Twitter e Instagram, curta a fanpage Vortex Cultural no Facebook, e participe das discussões no nosso grupo no Facebook.