Review | The Tiny Bang Story

The Tiny Bang Story é um jogo casual, independente, curto, simples e despretensioso. Ao mesmo tempo é bonito, bem trabalhado, fazendo um jogo de quebra-cabeças, que usam realmente quebra-cabeças (daqueles de peças que montávamos com a família), além de elementos visuais para compor os desafios do jogo.

O jogo não tem algo que podemos chamar de história, apenas o chamado Tiny Planet é atingido por um “meteoro”, e você vai tem que salvar os habitantes, resolver os puzzles, e assim, consertar máquinas e mecanismos para que a vida volte ao normal. Ele é divididos em 5 capítulos e perto de 30 mini-games, que variam desde coletar bolas, que ficam muito bem escondidas no cenário, até jogar um tipo de mini-game retrô, a lá River Raid, para que um avião chegue até você.

Todos os cenários e personagens são desenhados a mão, numa arte que remete inspirações claras de Braid. Tudo muito bonito, bem feito e detalhado, que dá vontade de parar por algum tempo e apenas observar a arte do cenário. O cenário inclusive, é parte quase sempre dos próprios quebra-cabeças, que são baseados na maioria das vezes em coletar itens escondidos, ou espalhados pelo mundo, e com os itens, um mini-game final para consertar as máquinas.

A trilha sonora é composta por 10 músicas instrumentais, calmas, que fazem um bom trabalho ao compor a atmosfera do jogo, ajudando na concentração para resolver os desafios. Não é uma trilha grandiosa, mas cumpre bem a proposta do jogo, e pode ser baixada de graça, no site oficial.

O nível do desafio é bem “casual”. Em sua maioria, simples, mas que não tira o interesse do jogador, por ser fácil demais. Claramente aqui o objetivo é fazer um jogo para todas as idades, muito mais focado nesse aspecto de atmosfera e visual que o jogo cria, do que fazer o último dos jogos de puzzle. Pensando por esse lado, é satisfatório. Mas para quem procura algo mais difícil, com brain teasers de verdade, não é a melhor opção.

Sem um personagem fixo em tela que você controle, talvez por uma escolha buscando a simplicidade de controles, em que apenas clica no que vê. Ou também, para deixar o foco todo para os belos cenários. Mesmo assim, o jogo se torna um pouco genérico, com pouco para se identificar a não ser a arte. E com isso o fator replay beira a 0, afinal o jogo não traz nenhum apelo para que retome os puzzles já completados anteriormente.

Para concluir, The Tiny Bang Story é um jogo que cumpre sua proposta: um jogo adventure, de puzzles e casual. Com algum desafio, mas nada que marcará época. Quase nenhum incentivo para que o jogador retorne depois de finalizar a história, a não ser pela bela arte do jogo. E um gameplay entre 3 a 4 horas. Tudo isso me faz pensar que o preço do jogo para PC é exagerado (10 dólares, via Steam no momento da publicação), talvez um preço de 3 dólares (preço do jogo na App Store), me fariam recomendá-lo. Outro ponto, é que enxergo Tiny Bang Story como um jogo que se enquadra melhor, jogado a partir de um tablet, do que no PC, até pelo seu tom mais casual.

The Tiny Bang Story é desenvolvido pela Colibri Games. Foi lançado em Abril de 2011. Está disponível para as plataformas: PC (Steam), Mac (Mac App Store), e iPad.