Resenha | Elite da Tropa – Luiz Eduardo Soares, André Batista e Rodrigo Pimentel

Elite da TropaElite da Tropa surgiu antes de todo o estardalhaço levantado com o filme do José Padilha, Tropa de Elite, e apesar de em menor escala, o livro gerou muita discussão devido aos assuntos abordados. Fruto do trabalho em equipe do Antropólogo Luiz Eduardo Soares, que escreveu o livro com base na experiência e pesquisa de trabalho dos integrantes do BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro), André Batista e Rodrigo Pimental. Elite da Tropa traz um grande diferencial, narrar o cotidiano dos policiais sob o ponto de vista deles próprios, mostrando a realidade de cada um, doa a quem doer.

O trabalho dos autores trouxe uma visão muito mais abrangente daquela mostrada no filme do Padilha e aqui, o buraco é mais embaixo, deixando claro que o problema de segurança do RJ não é apenas culpa da polícia que age coercitivamente no trato da criminalidade (e também com aqueles que estão à margem da sociedade) e a corrupção que já faz parte da sua rotina, muito pelo contrário, notamos que esses problemas estão profundamente arraigados nas instituições públicas, não só de segurança.

As histórias do livro são divididas em duas partes. A primeira delas, denominada “Diários de Guerra”, vemos um relato detalhado das incursões da PM nas favelas cariocas. A violência policial é recorrente durante boa parte desses “diários”, deixando claro a forma como a polícia trabalha, usando esses meios de forma ilegal e arbitrária.

Nessa primeira parte temos relatos não apenas do BOPE, como da PM em geral, porém, o foco maior é dedicado para a tropa de elite carioca, dando informações sobre seu treinamento, dia-adia e sua função caótica no quadro da segurança pública do Rio de Janeiro. Já em seu início, sabemos um pouco sobre o motivo do qual o BOPE é chamado de “incorruptível”. De acordo com seus membros, isso está ligado diretamente ao fato de pertencerem a um grupo pequeno e seleto de homens, que tem orgulho de fazer parte daquela elite e semeiam o sentimento de honestidade entre eles, punindo severamente os que não seguem este preceito, porém, os mesmos policiais têm plena consciência que isso só é possível pelo número pequeno de oficiais pertencentes a equipe naquele momento.

Nesses “Diários” já é possível analisar como o indivíduo é corrompido na corporação, dividindo-os entre aqueles que se omitem, os que se tornam cúmplices. Em contrapartida, temos aqueles que estão nadando contra maré, os que caem de cabeça nessa “guerra” até o fim. Práticas de tortura, coação da população menos abastada e extermínio fazem parte do cotidiano desses homens. Por outro lado, culpar a polícia por seus atos violentos é tão ingenuo quanto acreditar que nossos políticos são honestos, ora, esse tipo de ação é aprovado a todo momento, seja por seus superiores, pelo próprio governo ou é claro, pela nossa sociedade.  Como se os policiais tivessem responsabilidade exclusiva, como se os governos e as políticas adotadas não fossem responsáveis pelo caos que a instituição herda.

Os próprios policiais têm conhecimento que esse tipo de ação provocou apenas o aumento da violência. A política de extermínio (“Na dúvida, mate. Não corra, não morra”), aprovada pelo próprio governo do RJ, se transformou em uma guerra pessoal entre criminoso x polícia, já que as possibilidades de ser morto é maior do que a de ser preso, é “matar ou morrer”, além de que para o policial isso se torna uma vingança pessoal, contra morte de civis e outros policiais, provocada pelos atos desses delinquentes.

“Dois anos depois: a cidade beija a lona”, segunda parte do livro, traz uma narrativa bastante diferenciada da primeira, pois é focada muito mais no aspecto político das polícias e o quão corrompido as organizações do governo estão. Uma rede de corrupção vai sendo formada aos poucos, e a leitura torna-se absurda a cada parágrafo, devido aos fatos narrados não serem mera ficção, e sim a realidade sem rodeios, beirando o irreal, dado o nível de corrupção e quão baixo um homem pode ir para alcançar seus objetivos.

Nessa segunda parte, os criminosos do morro dão lugar a bandidos de colarinho branco, empresários e políticos se juntam aos policiais corruptos, formando uma grande rede de interesses onde são gerados acontecimentos que aos olhos da sociedade não tem co-relação, porém, tudo se junta em um objetivo maior. Uma grande conspiração vai se armando, onde apenas os que vivenciam aquele dia-a-dia conseguem conectar os pontos, já que os propósitos não são facilmente identificados e para a grande massa, o bom serviço está sendo feito.

O maior mérito do livro são as histórias narradas pelos próprios policiais e não romancear as mesmas. A maioria delas te atinge como um soco no estômago, dado o nível de realismo e detalhes que são contadas, seja os níveis de corrupção que a segurança pública atingiu ou mesmo a brutalidade e até mesmo um certo sadismo que fazem parte de alguns policiais. Tudo isso pode não ser novidade, afinal, a corrupção e esses atos atrócitos já foram denunciados por jornalistas, militantes de defesa dos direitos humanos e entidades internacionais, o fato é que isso nunca partiu das próprias instituições de segurança pública, como o que acontece aqui.

Ser policial no Brasil não é fácil, principalmente se ele for militar, o salário é ínfimo, assim como seu reconhecimento. Os que não se rendem a corrupção, tem de trabalhar na área de segurança privada para complementar sua renda, ficando na ilegalidade. Já o cidadão comum não tem conhecimento do verdadeiro motivo da segurança pública do Rio de Janeiro ser da forma como é, todos os dias ele é condicionado a pensar através dos noticiários.

Ao matar o responsável pelo tráfico de determinada favela, acreditamos que com isso a taxa de criminalidade está diminuindo. Ledo engano. Ao eliminar um, rapidamente outras pessoas assumemo seu lugar. A “mão-de-obra” é grande, gera um ciclo infinito se continuar da forma que está. A estimativa de vida de um traficante é baixa e quando um cai, existem vários outros esperando sua chance para entrar para o “movimento”.

O narcotráfico só terminará com outras políticas, o combate direto não é a solução, como o livro deixa bem claro, é necessário intervenções nos orgãos públicos, não só de segurança, do contrário não haverá mudança. Continuará existindo a limpeza social para eliminar não apenas os bandidos, mas aqueles que estão no meio desse fogo cruzado, a mazela que está a beira da sociedade, mas não se engane, a elite nunca terá o mesmo tratamento que o favelado, que o negro, o mais pobre. Essa violência não é aplicada nos filhos de empresários que financiam o tráfico, ou pior ainda, naqueles que estão atrás de sua imunidade parlamentar, aí o tratamento é outro, infelizmente, como relata um dos protagonistas.

A narrativa é simplista, mas o grande mérito está no que já foi dito, mostrar toda a fragilidade da segurança pública que vivemos, não apenas do Rio de Janeiro, pois esta realidade está presente em todos os grandes estados brasileiros. Os autores colocam o dedo fundo na ferida e a realidade é escancarada de dentro pra fora. Um relato obrigatório para aqueles que querem entender o caos que o sistema se tornou, independente do cárater “fascistóide” que o livro direciona em alguns momentos.

Como diria Cel. Nascimento, o sistema é foda, parceiro, e ainda vai morrer muita gente inocente.