[Resenha] Furia Lupina: Brasil – Alfer Medeiros

Fúria-LupinaFúria Lupina: Brasil é um livro fascinante, não só pelas personagens incríveis ou pelos detalhes das grandes batalhas, mas também pelo jeito como tudo é apresentado. Além de ser um livro brasileiro, fazendo com que os leitores se acostumem e entendam a maioria dos termos, diálogos e lugares usados ao decorrer do enredo.

A estória começa no ano de 1977, com o nascimento da descendente da uma respeitada família de Homens-lobos. Caroline é a mais forte de sua raça e a principal personagens do livro. Ela cresce sabendo que um dia se transformaria em lobo também, mas isso aconteceu mais cedo que o esperado. Aos 10 anos de idade ela passa pelo ritual de metamorfose e se torna então, uma mulher-lobo.

O Autor Alfer Medeiros faz homenagens a grandes personagens da cultura pop, como o vilão Hell Vansing que é inspirado no caçador Van Hellsing. Além disso ele cita inúmeras bandas de Rock internacionail e grandes obras do cinema, como Star Wars.

É incrível ver como a leitura brasileira evoluiu nos últimos tempos. Alfer consegue criar uma estória sobre lobisomens, sem cair no clichê dos outros livros com o mesmo tema. Ele acabou com o mito do lobo ser irracional, controlar o homem. Em Fúria Lupina acontece exatamente ao contrário, desde a primeira transformação, o Homem-Lobo é ensinado a ter auto controle e raciocínio lógico. Além da maneira sutil e perigosa de comunicação: Telepatia.

O livro, além de tudo, é um apelo para a preservação do meio ambiente. Tanto o meio vegetal quanto animal, o autor mostra como é importante cuidar da natureza. O seu trabalho em detalhes é tão impressionante, que ele faz com que o leitor fique apaixonado por todos os personagens da trama. Tanto os vilões quanto os “mocinhos” tem sua carisma especial. Principalmente pelo alívio cômico que é imposto aos perigosos caçadores. Podemos dar boas risadas lendo seus diálogos.

Apesar do bom enredo, os personagens carismáticos, o cenário familiar e os diálogos claros, o que mais chama atenção no livro são as batalhas. Ele descreve cada movimento, cada parte da estratégia dos combatentes. Não deixa passar um braço arrancado ou uma cabeça dilacerada. Enfim, o livro é, na minha opinião, o melhor da literatura nacional atualmente. Há tempos não lia com tanta vontade…

Texto de autoria de Jean Dangelo.