Resenha | O Clube do Filme – David Gilmour

O Clube do Filme – David Gilmour

Clube do Filme foi um dos primeiros livros que li em 2009, e que surpresa agradável. Uma história verídica sobre a amizade entre pai e filho, respeito, amor e o poder que um filme pode exercer em uma pessoa.

David Gilmour, escritor e crítico de cinema traça um relato sensível sobre um período de sua vida onde estava sem trabalho, com pouco dinheiro e tendo problemas com seu filho de 15 anos.

Sem saber como lidar com a situação delicada do filho que só tirava péssimas notas e vinha decaindo nos estudos cada dia mais e mais, David faz uma faz uma das escolhas mais dificeis de sua vida.

Apesar de ser um rapaz esperto, popular e simpático, Jesse era totalmente incapaz de progredir na escola, seu pai se vê sem saber o que fazer diante do derrota do filho e fica com medo de perdê-lo. David propõe ao filho que ele poderia abandonar os estudos desde que assistisse toda semana três filmes. Os filmes são escolhidos a dedo por David, de acordo com cada situação vivenciada, buscando um diálogo após cada sessão visando o desenvolvimento do filho.

Pode parecer absurdo para um pai a escolha feita por David e de fato é, mas um ponto deve ser analisado. No momento narrado pelo autor, o que notamos era o medo que ele sentia de perder seu filho e através das sessões de filmes, ele visava uma maneira de se aproximar do filho e ensiná-lo algo.

O problema é que Jesse é um maluco apaixonado, e em dado momento do livro, se vê abandonado por sua amada e começa a se afundar nas drogas e depressão, o que torna a escolha de Gilmour um problema e o deixa confuso se fez a escolha certa.

A leitura não é romantizada, mas sim muito sincera e por vezes dolorosa. Os filmes não são o objetivo do livro mas sim a relação entre pais e filhos, a amizade que nasceu e a troca que existe entre eles. Apesar disso tudo, eles tem papel importantissímo no livro, através deles, David faz metáforas da vida do garoto, traça paralelos e o ensina através de clássicos como Os Incompreendidos de Truffaut, Sindicato de Ladrões de Kazan, entre outros grandes clássicos ou não.

David cria uma ligação com seu filho que muitos pais invejariam, tudo isso em meio à aulas de cinema. Um lindo relato sobre o poder do cinema e o amor entre um pai e um filho.