Literatura

Resenha | Red Luna: A Biblioteca do Czar – Gabriel Morato e Marcos Inoue

Compartilhar

biblioteca-do-czar

Red Luna é um projeto transmídia (entenda aqui o que é isso) cuja etapa inicial é a publicação de uma série de três livros, dos quais A biblioteca do Czar é o primeiro. Além dos livros, a princípio, haverá também a publicação de quadrinhos que complementarão o universo criado pela equipe de escritores, roteiristas e ilustradores.

Universo Red Luna
Três raças de vampiros, ou Hollows, lutam entre si desde tempos imemoriais: os Devas, os Varnis e os Auras. Suas origens estão envoltas em mistério, e o ódio que sentem uns pelos outros só cresceu ao longo dos tempos. No meio desse fogo cruzado, está a Humanidade, de quem se alimentam.
A cada ascensão e declínio de um império vampírico, novas peças são acrescentadas a uma épica e milenar partida de xadrez. As histórias de Red Luna relatam como cada um desses clãs surgiu e como a inimizade entre eles começou.
Cada livro focaliza um protagonista diferente, com seus conflitos únicos e em determinado período da História, mas todas as tramas acabarão por se entrelaçar numa batalha pela Terra Prometida dos Hollows: Red Luna
(fonte: primeira orelha do livro)

O leitor acompanha as aventuras de Miguel, um rapaz morador de uma cidade costeira no País Basco que, junto com uma cigana, cuida da taverna deixada pelo tio que partiu em viagens. Em circunstâncias inesperadas, Miguel descobre que o tio talvez esteja em perigo e, com o auxílio de Alisa, uma princesa Varni, parte em viagem para a Rússia a fim de localizá-lo.

Apesar de o texto ser escrito em terceira pessoa, o narrador não é onisciente. O narrador observa e relata os fatos do ponto de vista de Miguel. Sendo assim, não revela o que acontece aos demais personagens quando não estão com ele. Se, por um lado, é interessante ao criar uma identificação do leitor com o personagem - já que o que Miguel (não) sabe, o leitor (não) sabe; por outro, dá a impressão em alguns momentos de que a narrativa está incompleta. Porém, mesmo essa aparente falta de informações é benéfica, já que instiga o leitor a ir procurar em outras fontes o que “falta” - nos quadrinhos, no site, ou qualquer outra mídia que esteja compondo o universo Red Luna.

O livro é voltado ao público infanto-juvenil, o que minimiza o efeito negativo de a história lembrar muito - muito mesmo - o roteiro de Indiana Jones e a Última Cruzada. O tio de Miguel, Lasko, é dado como desaparecido, assim como o pai de Indiana. Miguel encontra-se em posse de um caderno com anotações de Lasko; em certo ponto da trama, ele deve enfrentar desafios cujas pistas para a solução estão no caderno de Lasko; e o último obstáculo é um obstáculo de fé, assim como o “leap of faith” do filme. Enfim, para quem cresceu assistindo aos filmes de Indiana na Sessão da Tarde, e que não é o público-alvo deste livro, essa sensação de déjà-vu pode atrapalhar a imersão na estória. Contudo, o público infanto-juvenil certamente não tem essa referência tão fortemente arraigada e deve se deixar conquistar pela escrita fluida do autor.

-

Texto de autoria de Cristine Tellier.

Vortex Cultural

Um autômato a serviço do site... ou não.
Veja mais posts do Vortex
Compartilhar