Mulher-Maravilha: Símbolo Feminino do Séc. XX? – Parte 2

mulher maravilha - parte 2 - destaque

Parte 2 – Origens da Mulher Maravilha

A primeira super-heroína a se tornar um sucesso de público foi a Mulher Maravilha, criada pelo Dr. William Moulton Marston. Ela apareceu pela primeira vez em All Star Comics #8 (Dezembro, 1941) da All American publications, uma das três companhias que se tornariam a editora DC. Quando foi criada, o mundo dos quadrinhos era estritamente do domínio do homem. No início de 1940 a DC Comics era dominada pelos personagens masculinos com superpoderes tais como Lanterna Verde, Batman, e o principal deles, Superman. .Motivado pelo ponto de vista masculino de seus criadores, os heróis de quadrinhos relegaram às mulheres o papel de apoio de mãe, esposa e amiga. Como Lois Lane como o par romântico do Superman. As mulheres dos quadrinhos foram espectadoras impotentes nunca capazes de realizar incríveis façanhas dos homens que as dominavam. Lois Lane parecia existir somente para agradecer Superman para salvá-la a partir do último vilão, embora rejeitando as atenções de Clark Kent. Em uma entrevista 25 de outubro de 1940, realizada pela ex-aluna de Marston, Olive Byrne (sob o pseudônimo de “Richard Olive”) e publicado pela Family Circle, intitulado “Não ria dos Quadrinhos”, ela descrevia o que ele viu como um grande potencial para as histórias em quadrinhos:

OLIVE: “Você sabe quantas são vendidas por mês”?
MARSTON: “Há cerca de 108 revistas de quadrinhos nas bancas. Os números mostram que entre 10 milhões e 12 milhões revistas são vendidas a cada mês. Isso diz que 1.000.000 ou mais são gastos todos os meses pelos fãs de quadrinhos.

Há, além disso, outras 3.000.000 ou 4.000.000 revistinhas vendidas trimestralmente. Pesquisas mostram que em média quatro filhos lêem cada revista vendida. Isso perfaz um total de algo entre 40 milhões e 50 milhões leitores juvenis por mês. E outras 12.000.000 para 16.000.000 leitores a cada três meses. As revistas vendem por 10 cents cada, que traz as vendas de varejo anuais entre 14 milhões e 15 milhões, e 85% dos parentes dessas crianças também pegam as revistas para lerem, que é o que ainda me impressiona. As tiras de quadrinhos nos jornais há muito tempo se tornaram a bíblia do dia de sábado de mais de 10.000 mil crianças. Mas agora as revistas de histórias em quadrinhos tornaram leitura semanal, e acreditem ou não, os jovens nunca estudaram seus livros didáticos como fazem esses novos quadrinhos!”

OLIVE, Richard. Revista Family Circle, “Não ria dos Quadrinhos”, 1940 

Este artigo chamou a atenção de Max Gaines, que empregou Marston como consultor educacional da National Periodicals of American  publications. Naquela época, Marston decidiu desenvolver um novo super-herói. Segundo a edição de outono 2001 da revista de ex-alunos da Universidade de Boston, foi idéia de sua esposa Elizabeth de criar uma super-heroína.

Sensation Comics #1 - Mulher Maravilha

Sensation Comics #1 de 1940

Marston introduziu a ideia á Max Gaines, cofundador (juntamente com Jack Liebowitz) do All-American Publications. Dado o sinal verde, Marston desenvolveu a Mulher Maravilha com Elizabeth (a quem Marston acredita ser um modelo de mulher não convencional ao que se havia em sua época).

“Nem mesmo as meninas querem ser meninas tanto tempo como o nosso arquétipo feminino que carece de força, dominação e poder. Não querendo adotar esse arquétipo, não querem ser submissas, amantes da paz como as boas mulheres são. As fortes qualidades da mulher tornaram-se desprezadas por causa de sua fraqueza. A solução óbvia era criar uma personagem feminina com toda a força do Superman, mais todo o fascínio de uma mulher boa e bonita.”

Marston, William Moulton. The American Scholar, 1943

“Em um mundo dilacerado pelo ódio e guerra dos homens, aparece uma mulher a quem os problemas e as façanhas dos homens são mera brincadeira de criança, uma mulher cuja identidade é conhecida a ninguém, mas cujas sensacionais feitos são destaque em um rápido movimento mundial! Com uma centena de vezes a agilidade e força dos nossos melhores atletas masculinos e os lutadores mais fortes, para mostrar o certo e errado! – Com a velocidade de Mercúrio e da força de Hércules -, ela é conhecida apenas como a Mulher-Maravilha, mas que ela é, e de onde ela veio ninguém sabe!”
Trecho e imagem retirados de Sensation Comics #1 dez, 1941

O que Marston tinha em mente só pode ser objeto de especulação, mas hoje as feministas têm um pouco mal interpretadas a situação, sugerindo que a Mulher Maravilha foi destinada exclusivamente como um modelo que encoraja a autoconfiança na garota. Certamente, esse aspecto foi importante para Marston, mas Mayer sentiu que Marston “estava escrevendo uma revista feminista, mas não para as mulheres. Ele estava lidando com uma audiência masculina”. É um segredo aberto, porém raramente reconhecido, que os leitores da Mulher Maravilha sempre foram predominantemente masculinos (estimativas atingem os 90%).  A revista (Sensation Comics) tornou-se um sucesso esmagador.

A personagem ganhou sua revista própria no verão de 1942, revelando ao mesmo tempo o criador da personagem (Até então havia adotado o pseudônimo de Charles Moulton), que diferia muito o ar da personagem quanto ao seus dois companheiros de sucesso, Batman e Superman, criados por adolescentes que não tinham experiência em escrita, já no caso da Mulher Maravilha, um psicólogo de reconhecimento internacional que já havia publicado livros acadêmicos e romances anteriormente.

Além disso, as mulheres eram encorajadas a fazer o trabalho de homens como uma questão de política governamental. Em um dos seus primeiros arcos de história, ela lutou contra o vilão Dr. Psycho que se disfarçou como uma aparição de George Washington, para exortar as mulheres da América que deixassem de trabalhar em fábricas de munições de guerra, porque elas eram muito fracas. Rapidamente ela despachou o Dr. Psycho e seus traidores. Ela nunca teve permissão para matar ninguém, nem estava autorizada a usar a violência, exceto em autodefesa ou em defesa de outros. O amor era – e ainda é – a chave para a força da mulher, e é esta qualidade positiva que a faz superior aos homens que ela encontra. Quando a Mulher Maravilha vence o inimigo, ela também torna possível que o vilão veja o erro o dele (ou dela) além de fornecer reabilitação, utilizando seu laço mágico e fazendo com que o delinquente ou os malfeitores possam reconhecer seus erros.

Marston morreu em 1947 e, consequentemente, a Mulher-Maravilha começou a mudar de caráter. Ela tornou-se menos de uma feminista. Nos anos 50, ela passou mais tempo obcecada com o namorado que a lutar contra bandidos.

“Sempre senti que os homens foram os que mais precisavam dessa mensagem. Realmente fez sucesso em alterar o status social, expondo milhões de garotos (que se tornariam os homens na década de 1960) com os ideais do feminismo. Afinal, não é muita surpresa que a mulher pode querer-se bem, mas uma questão completamente diferente é quando muitos dos opressores não deveriam concordar em ir junto com essa ideia”. DANIELS, Les. Wonder Woman, The complete history

… Continua em Mulher-Maravilha: Símbolo Feminino do Séc. XX? – Parte 3

Texto de autoria de Halan Everson.