Quadrinhos

Resenha | Os Maiores Super-Heróis do Mundo

Compartilhar

A grandiosidade da publicação que reúne as parcerias de Paul Dini e Alex Ross não poderia ter um nome mais simbólico, afinal, Os Maiores Super-Heróis do Mundo não exagera em seu título, independente do leitor achar hiperbólico, já que os autores captam em sua essência tudo aquilo que representam as histórias do Superman, Batman, Mulher Maravilha, Shazam e Liga da Justiça contidas neste álbum.

O compilado da Editora Panini foi lançado em formato grande e luxuoso, com páginas que emulam o tamanho das telas utilizadas pelo artista, embora ainda sejam evidentemente menores que os quadros do Ross. O álbum reúne seis histórias: Batman: Guerra ao Crime, Shazam: O Poder da Esperança, Superman: Paz Na Terra, Mulher-Maravilha: O Espírito da Verdade, e pela Liga da Justiça, Origens Secretas e Liberdade e Justiça.

Paul Dini ficou famoso por seu trabalho com animação, primeiro nos desenhos da Warner Animation, depois mais especificamente nas adaptações de heróis, com os desenhos de Batman, Superman e Liga da Justiça, ao lado de Bruce Timm, Dwayne McDuffie e tantos outros.

Da parte das histórias da Liga da Justiça, Origens Secretas se dedica a mostrar os momentos de Gênesis dos heróis, falando rapidamente de Batman, Flash, Aquaman e os quadros clássicos da Liga, mas com enfoque maior em personagens como Arqueiro Verde, Gavião Negro, Átomo, Homem-Borracha e Caçador de Marte. Cada um tem seu momento de brilho, com páginas dedicadas a sua rotina e a origem.

O uso das cores é um absurdo, Ross emprega todo seu talento para mostrar não só os momentos clássicos do começo da carreira desses heróis, como dá um novo e poético significado mesmo para as mais ordinários e óbvios detalhes de sua composição. Tudo aqui é bem fluído e divertido, escapista e heroico, como os melhores quadrinhos da Era de Ouro e Prata, período este bastante caro ao artista.

Antes de Liberdade e Justiça, são aludidos também Adam Strange, Zatanna, Homem-Elástico, Metamorfo, Tornado Vermelho e Vingador Fantasma, de maneira mais breve que os anteriormente citados. A história em si é deslumbrante, e como não poderia deixar de ser, Ross traz artes dignas de quadros para exposição. A história é longa, beira centenas de páginas, e mostra o Pentágono apelando para os heróis mais poderosos da Terra. Há momentos curiosos, que revelam boas sacadas, especialmente de Batman, que ao ver o envolvimento do governo na tal aventura, diz que talvez Oliver Queen tivesse uma luz sobre a questão graças ao seu posicionamento político – que ao ver do Morcego, às vezes acerta no julgamento –, quanto na liderança e comportamento épico do Caçador de Marte.

A ação conjunta, onde cada um dos heróis tem uma função específica de acordo com os seus talentos,  dá uma bela importância aos heróis, fazendo eles evoluírem de simples bonecos de ação para pessoas de carne e osso, que apesar de heroicos, tem preocupações mundanas e comuns. Poucas histórias da Liga da Justiça capturam isso tão bem, especialmente no trato aos civis. As demais histórias foram analisadas individualmente quando publicadas pela Editora Abril, e podem ser lidas nos links acima.

Na publicação, existe ainda um belo posfácio que inclui detalhes de cada uma das obras. Nesse espaço são mostrados os métodos de trabalho de Alex Ross, e o quão mágico é o processo artístico dele. Os Maiores Super-Heróis do Mundo captura bem a essência das lendas da DC Comics, com histórias diversas, em várias frentes, mas que primam pelo comportamento exemplar e retilíneo de seus personagens clássicos.

Compre: Os Maiores Super-Heróis do Mundo.

Filipe Pereira

Filipe Augusto Pereira é Jornalista, Escritor, quer salvar o mundo, desde que não demore muito e é apaixonado por Cinema, Literatura, Mulheres Rock and Roll e Psicanalise, não necessariamente nessa ordem.
Veja mais posts do Filipe
Compartilhar