Resenha | Os Perdedores – Hora do Troco

Os Perdedores - Hora do Troco

Eis que chega as bancas Os Perdedores. Após ser publicada anteriormente pela Opera Graphica, a Panini sabiamente aproveitou o momento certo para relançá-la, afinal, a estréia dos filmes nas telonas ocorrerá no mês seguinte, então nada melhor que colocá-las nas bancas novamente com uma cara nova.

Os Perdedores são uma equipe de ex-agentes da CIA que foram dados como mortos após uma operação secreta. A própria agência traça uma possível ‘queima de arquivos’ durante uma missão (nessa primeira edição ainda não temos detalhes sobre o real motivo do atentado) e acredita que havia se livrado de todos eles. Ilusão. O grupo liderado por Franklin Clay saem de cena e passam a preparar um grande plano para terem suas vidas de volta, para isso terão que barganhar com sua ex-agência. Com o decorrer da história, o grupo descobre envolvimento do governo com empresas multinacionais e o narcotráfico.

O roteiro pode parecer simplista em um primeiro momento, por tratar de um tema que já foi utilizado pelo cinema americano inúmeras vezes (principalmente nos anos 80), e que quase sempre resulta em filmes ruins, no entanto, o que vemos são clichês muito bem utilizados. A história não é novidade, mas o roteirista consegue trabalhar bem a trama e seus personagens, e esse, definitivamente é o ponto forte da hq, mesmo tratando de algo tão utilizado, Andy Diggle consegue não ser mais um e se destaca na ‘multidão’.

O autor é conhecido pelo seu bom trabalho em Juiz Dredd. Nos anos 2000 a editora Vertigo procurou o inglês, para que este trouxesse novas ideias para histórias. Assim surgiu Lady Constantine e logo após Os Perdedores, ambos os títulos ao lado do excelente desenhista Mark Simpson, ou simplesmente, Jock, que foi arrastado junto com Diggle após a proposta da editora. Jock, por sinal, é dono de um traço característico muito interessante e trabalhou ao lado do amigo em Juiz Dredd, Hellblazer, Arqueiro Verde, Lady Constantine, entre outros. Os dois têm mostrado seu mérito na indústria, seja trabalhando juntos ou separados.

Em 2003 o trabalho dos dois começou a ser publicado, a HQ Perdedores teve um ótimo recebimento de público e já em seu primeiro volume, o roteiro de Diggle já mostrou a que veio, traçando diálogos afiados e uma história repleta de reviravoltas sem deixar pontas soltas, tudo isso aliado ao traço de Jock, que consegue dar um ritmo explosivo a trama de ação proposta pelo parceiro. Uma ótima indicação àqueles que apreciam uma inteligente história de espionagem.