Resenha | Your lie in April #01

Kousei Arima é um pianista prodígio que, logo jovem, ganhou concursos musicais e se destacou bastante no meio clássico. O garoto tinha um futuro promissor, mas de repente, no meio de uma apresentação, simplesmente parou de tocar sem maiores explicações. O público não entendeu a atitude de Kousei e, a partir daí, ele afastou-se dos recitais. Parou definitivamente de tocar piano. Mas por quê?

Na verdade, Kousei era fortemente influenciado por sua mãe, que o impunha treinamentos rígidos no piano. O jovem seguia à risca todos os pedidos dela, e com isso tornou-se um excelente músico. Mas quando ela falece, Arima se vê perdido. Afinal, ele tocava piano por imposição, mas por outro lado, é praticamente a única coisa em que ele é realmente bom. Daí passou a sofrer de uma espécie de bloqueio que não o permite tocar de forma plena.

Até a bela Kaori aparecer em sua vida. Ou não?

Kaori é uma excelente violinista que subverte a fórmula das músicas clássicas, onde se exige execução precisa e fiel às partituras. Uma das cenas mais legais deste primeiro volume é quando Kaori, ao participar de um concurso de violino, toca uma peça clássica à sua maneira, o que soa como um sacrilégio por alguns dos jurados. E aqui já temos um ponto fraco da obra: a ausência de música.

Tudo bem, estamos falando de mangá, papel e tinta, é óbvio que não há música, o que torna a crítica injusta. Mas estamos falando de uma história onde a música tem papel essencial, e sua ausência prejudica a experiência. Quem assistiu ao anime sabe muito bem do que estou falando.

Mesmo assim, Naoshi Arakawa consegue passar, na medida do possível, os sentimentos despertados pelas músicas ali tocadas. Seu belíssimo traço ajuda neste tarefa. Destaque para os detalhes nos instrumentos musicais.

Ao longo das páginas, temos um ótimo desenvolvimento da história e personagens, especialmente os dois já citados, Kousei e Kaori, e seus amigos WatariTsubaki, todos muito carismáticos. Apesar de Kousei ter um ar mais sério e triste, aos poucos vamos entendendo os conflitos internos do garoto, e provavelmente você terá empatia por ele.

Este primeiro volume é um bom aperitivo da história que virá em seguida. Por mais que tenham momentos engraçados e divertidos, a obra traz momentos sérios e bem comoventes. Mesmo com a ausência de som, é possível aproveitar bastante este excelente mangá, publicado no Brasil pela Panini Comics.

Facebook – Página e Grupo | Twitter Instagram.