Resenha | Avante, Vingadores! – nº 0

Avante, Vingadores! (Nova Marvel) nº 00

A edição zero de Avante, Vingadores! é a primeira a se situar no Novo Universo Marvel. Depois de mais de 10 anos à frente da revista dos Vingadores, Brian Michael Bendis se despede rumo a outro título da casa (X-Men), sendo esta a provável última aventura escrita sobre a equipe e que é também sequência dos acontecimentos vistos na produção cinematográfica.

A série Avengers Assemble se diferenciaria das outras revistas envolvendo os heróis por apresentar histórias que não estão na cronologia oficial, motivo que justificaria a formação da equipe ser a mesma vista no filme. Algumas adequações produzem breves diferenças, como o fato do grupo possuir diversos membros honorários, elemento ainda não desenvolvido no cinema.

Encerrando sua longa passagem no título d´Os Vingadores, Bendis entrega uma história que pode servir como adaptação direta para um futuro longa-metragem da equipe. A trama apresenta um novo grupo de vilões chamado Zodíaco – com cada indivíduo representando uma das 12 casas – enquanto os Vingadores comemoram o sucesso da última missão e a reconstrução da Torre Stark. Um foragido Hulk presencia o roubo de um aparato militar e, ciente de um problema em potencial, se une aos amigos.

A equipe descobre que o Zodíaco trabalha para um ser galático chamado Thanos, que deseja roubar um cubo cósmico, produzido pelo Exército, para destruir a Terra em seguida. Tanto nesta história como na apresentada em Ponto de Partida (Nova Marvel), a Terra é considerada um dos planetas mais deficientes do Universo. Atrasada em relação à evolução de outros mundos e, por conta de interferências de humanos e extra-humanos, seria melhor se fosse extinta.

O clássico vilão é considerado uma surpresa para a equipe, evidenciando que esta edição é diretamente voltada ao público cinematográfico e antecipa outra equipe que em breve surgirá nas telas: Os Guardiões da Galáxia que ajudam Os Vingadores na batalha de Thanos e na recuperação do cubo cósmico.

A presença dos Guardiões não retira o foco da outra equipe. Há uma visível preocupação em integrá-las, cada uma defendendo seu fronte, formando uma grande superequipe para resolver a crise da vez.

Bendis conhece intimamente o grupo de heróis e entrega uma boa história em sete partes que funciona tanto para leitores novos como para os mais antigos. A narrativa também aponta para um possível futuro cinematográfico que unirá Os Vingadores e Os Guardiões da Galáxia em uma história espacial.

Dentro do plano de reestruturação da Marvel, Avante, Vingadores #0 é um primeiro acerto e um leitor mais antigo não se sentirá ofendido pela ausência da vasta cronologia da equipe. A partir da próxima edição, o Universo se expande com outros heróis que surgem para acompanhar a equipe, aproximando estes Vingadores com a equipe tradicional da cronologia.