Into the Badlands | AMC preparou a melhor série de artes marciais da atualidade

Com todos os olhos voltados para o lançamento de Punho de Ferro na última sexta-feira, talvez poucos tenham visto que no domingo, dia 19, a série que trouxe as artes marciais para o lugar de respeito que deveriam na cultura pop.

Quando você pensa em histórias pós-apocalípticas, provavelmente não é um campo tão verde quanto a Irlanda que vem a sua mente, mas é a serie Into the Badlands que nos traz isso e promete expandir mais ainda o mundo distópico criado por Alfred Gough e Miles Millar. Enquanto a outra produção da AMC traz uma pessimista e urbana visão de um mundo pós-apocalíptico, Into the Badlands desenvolve um mundo que regressou à uma espécie de feudalismo e poder através do combate, em um mundo rodeado de florestas.

Para a segunda temporada, toda a produção se mudou de Nova Orleans para Dublin, Irlanda. O Collider teve a chance de conversar com o elenco e o time de produção, conseguindo algumas imagens da personagem Widow (Emily Beecham) filmando uma das cenas de ação da série, que se tornou a sua marca registrada. Assim como qualquer coisa na indústria do entretenimento, essa mudança de locação não foi por motivos criativos mas sim por incentivos financeiros, mas que casou muito bem para expandir o universo da história na segunda temporada, que nos retira das Badlands enquanto aprofunda a história de Sunny (Daniel Wu) tentando retornar para os braços de Vail (Madeleine Mantock) e seu filho recém nascido. De acordo com Wu, as novas locações dão o tom épico e cinematográfico que a série precisava.

É correto dizer que a equipe considera sua primeira temporada algo mais rústico e primordial para o contexto da série, enquanto que sua segunda temporada pode soltar novos elementos muito interessantes para sua história que vai ganhar mais profundidade. Daniel Wu comenta que “Tivemos apenas seis episódios para que a audiência entendesse o tom da série e seus personagens, e realmente tinham muitos personagens a conhecer. Com a mudança de locação dessa temporada e agora com mais episódios nos permitiram realmente dar a sensação de expansão e fazer com que a série pareça mais uma jornada, que era a intenção original. A ideia nunca foi deixar a audiência presa numa plantação na primeira temporada, e agora nós mandamos Sunny em uma direção e Mk em outra completamente diferente, deixando a Badland numa bagunça”.

“Você pode considerar a primeira temporada como uma história de fundo para entender o plot. Nós agora incluímos novos elementos como Nick [Frost] que adiciona uma leveza a trama e ajuda a complementar as cenas de artes marciais. Mas as coisas nesse nova temporada estão muito mais quebradas e todos os personagens espalhados. Todos tem tramas paralelas e isso vai servir muito bem para quem se incomodou com o progresso da última temporada”, disse o ator Daniel Wu.

A série é filmada no estilo de Hong Kong, em que a coreografia é filmada em pequenas partes enquanto os atores estão gravando para que eles nunca precisem memorizar nenhuma rotina pesada de coreografia. Eles só precisam filmar um movimento por dia, guiados por um coreógrafo e coordenadores que visualizam todos os movimentos para checar se cada sequência está de acordo com o desejado. Como um artista marcial de reconhecimento internacional nos últimos vinte anos, Wu é muito exigente com as sequências de ação apresentadas na série, mas para Beecham, uma atriz treinada à maneira clássica, foi uma curva de aprendizado muito maior. “Você tem que se adaptar. Você se torna confiante com isso e, fazendo do seu próprio jeito e começa a praticar cada vez mais. Durante a primeira temporada foi uma experiência completamente nova pra mim, foi um completo desafio”.

Ela continuou “Eu sempre quis fazer sequências de ação porque eu fiz muita escola dramática durante anos, e trabalhar com a equipe de Hong Kong foi maravilhoso. Eles meio que não tem uma coreografia preparada quando chegam ao estúdio. Então eu basicamente entro numa pré-gravação e pergunto o que estou fazendo. E eles nos mostram aos poucos o que fazer, algumas vezes em chinês, é difícil compreender algumas vezes mas eu dou o meu melhor”.