Reviews

Review | Climax! - Casino Royale (1954)

Compartilhar

Cassino Royale 1954 2

Antes das leituras cinematográficas baseadas nos textos de Ian Fleming para o cinema, o episódio de Climax! apresentaria a primeira adaptação do famoso agente 007 para a televisão, com introdução de William Lundigan adentrando o tema principal de seu episódio: o jogo de carteado Bacará.

Por ser uma produção norte-americana, James Bond se chamaria Jimmy Bond. Enquanto o agente é interpretado por Barry Nelson como um cidadão americano, Clarence Letter (versão de Felix Leiter, vivido por Michael Pate) torna-se inglês. Extremamente fiel ao texto original, o episódio em preto e branco dirigido por William H. Brown Jr. se vale do repertório de seu realizador, produzindo um suspense bem registrado para sua época, capaz de chamar a atenção do espectador mesmo sem todo o glamour que seria marca registrada das produções de Albert R. Broccoli.

A atenção sexual de Bond não é tão desperta nesta versão, já que o personagem se interessa basicamente por Valerie Mathis (Linda Christian). O antagonista Le Chiffre é vivido pelo clássico ator Peter Lorre, que também havia executado o opositor na primeira versão do clássico de Alfred Hitchcock, O Homem Que Sabia Demais. Apesar de mais ameno, o personagem permanece muito cruel dentro dos parâmetros e ditames comuns ao modo de filmar da televisão dos anos 1950.

Cassino Royale 1954 t

A construção do ideário de Bond já podia ser vista neste especial, ainda que em estágio embrionário e prototípico. Mesmo a tortura, que causou furor nos aficionados que assistiram ao reboot 007 - Cassino Royale de Daniel Craig em 2006, é executada de modo agressivo, não deixando claro em tela qual foi o “membro” atingido pelo alicate do inimigo (apesar de que, pela posição da câmera, se pressuponha que o choque foi nos pés). Ainda assim, o retrato de uma sessão de tortura física e psicológica é explícito, em uma abordagem muito corajosa para a época.

O formato compreende semelhanças com um show de teatro dividido em atos, filmado a partir das atuações que ocorrem no ato da transmissão. Os momentos finais do episódio retratam uma reviravolta, longe de ser tão violenta quanto no texto original. As mortes são conceituadas em ambientes onde a câmera está ausente, respeitando-se a audiência que ficaria chocada com cenas de assassinato, a começar por ser um acinte a exposição irrestrita de armas em punho. O episódio de Casino Royale é um produto americano para americanos, mas é muito bem construído em volta de sua proposta, não ofendendo qualquer dos dizeres canônicos que seriam impostos em 1962 com O Satânico Dr. No.

Filipe Pereira

Filipe Augusto Pereira é Jornalista, Escritor, quer salvar o mundo, desde que não demore muito e é apaixonado por Cinema, Literatura, Mulheres Rock and Roll e Psicanalise, não necessariamente nessa ordem.
Veja mais posts do Filipe
Compartilhar