Review | Derek – 2ª Temporada

derek-2a-temporadaApós o sucesso da primeira temporada, o seriado de Ricky Gervais foi renovado, claro, sob enorme pressão, decorrente dos bons momentos do ano anterior. A seara inicia-se com uma piada coletiva absurdamente engraçada para logo depois focar mais uma vez o drama das condições precárias que incorrem manter o Broad Hill de pé. O pai de Derek, Anthony Byrne (Tony Rohr) vai, enfim, morar na casa de repouso, o que permite ao roteiro explorar a interação tardia entre pai e filho, que, apesar do tempo, ainda contém muito de teor infantil em decorrência do estado mental do protagonista. Encarar o modo como os dois lidam um com o outro guarda sensações interessante e muito pessoais.

Anthony logo faz sucesso com as internas, tornando-se uma espécie de galã, arrastando seus braços quentes para algumas das senhoras – tal situação é uma desculpa para discutir a questão sobre onde vêm os bebês, e o sexo, unicamente para enquadrar Hannah (Kerry Godliman) e seu par, Tom (Brett Goldstein), numa constrangedora conversa a respeito de suas intimidades e fertilidade. Ainda que o constrangimento esteja muito presente na fórmula da série, o tom emocional ainda prevalece, especialmente nas palavras de carinho e admiração de Derek a Hannah, enaltecendo seu trabalho e esforço em tentar fazer a vida de todos a sua volta algo feliz e menos sofrido do que o destino resolveu impingir.

Hannah e Tom decidem que querem ter uma criança, o que envolve todos os que orbitam o asilo, fazendo com que Derek imprima a tabela do ciclo menstrual de seu par, e claro, avisando à mulher quando ela estiver ovulando. Há uma evolução no comportamento de alguns personagens, como Kev (David Earl) que até se arranja saindo de sua zona de conforto – a imundície – para tentar uma vaga em um emprego fixo. Mas seu trato com o sexo feminino prossegue intacto, de uma sutileza rinocerôntica. A sua parte na entrevista é cômica, mas tem um cunho muito emocional, o que explica um pouco da depressiva vida que leva.

Alguns momentos de puro constrangimento sexual são mostrados, como quando uma das residentes pede a Vicky (Holli Dempsey), a voluntária que cuida da beleza dos internos, para depilá-la, uma vez que a senhora tem um encontro marcado. Os que trabalham no lar de idosos ganham cada vez mais espaço, na maior parte do tempo mostrados em serviços que “refrescam” as suas almas ou vistos discursando sobre a admiração deles por Hannah.

Este segundo ano é preconizado pela sensação derivada da perda. Primeiro, Derek é obrigado a conviver com a perda de seu amigo Dougie (Karl Pilkington), que se demite graças à precariedade dos serviços, abrindo assim uma vaga para funcionário remunerado; depois, a perda do bebê de Hannah, que sofre um aborto com pouquíssimo tempo de gestação; e a morte do cachorro Ivor, o preferido de Derek, numa das cenas mais chorosas do seriado, onde até os dotes dramatúrgicos de Gervais são testados. Cada um desses eventos deixa uma marca indelével na alma de Derek, ainda que ele não saiba lidar muito bem com isto.

O tratamento do protagonista com seu pai passa por turbulências, como o combate ao alcoolismo de Anthony, vício este que é compartilhado também com Kevin. A série de assuntos espinhosos prossegue, porém, claro, com uma abordagem pouco séria, mas tão emotiva quanto a demonstração dos dramas dos idosos. A proximidade do fim do relacionamento entre Hannah e Tom segue a mesma linha de seriedade de problema de Anthony.

Há um novo personagem, Geoff (Colin Hoult) que substitui Doug na função de zelador. Em boa parte do seriado ele é o catalisador do conflito. Sem saber muito bem como agir, bate de frente com todos os personagens, é desagradável, e o principal motivo para a saída do seu antecessor do cargo. Ele esconde uma necessidade de aprovação enorme e age de modo degradante para esconder o problema. Sua vontade de magoar a todos atinge inclusive Derek, que prontamente o ignora, mesmo quando o primeiro ameaça a chance do protagonista ter seu primeiro encontro em 50 anos de existência. O contraste entre o egoísmo de um e o desprendimento de outro serve para tornar óbvio que há dois tipos de comportamento, com um abismo de distinção entre um e outro.

O encontro de Derek com seu par ocorre bem, muito melhor que as expectativas de todos à sua volta. A preocupação do personagem em realizar o feito e deixar seu pai doente em Broad Hill reitera a ideia de que ele sempre considera o bem estar alheio preferível ao seu, primeiro aceitando seu pai de volta a sua vida, depois ficando ao seu lado até o momento derradeiro. A visão que ele tem da morte do pai é tão emocional que chega a ser poética. Como nas palavras de Hannah, o trabalho privilegioso dos que acompanham os velhinhos é o inverso do de uma parteira, visto que as figuras acompanham a despedida dessas pessoas do mundo, mas sem o medo costumeiro que as pessoas têm ao lidar com a morte. Há algo especial envolvendo os personagens, uma aura de suspensão da realidade, algo necessário para o tratamento dos simpáticos residentes de Broad Hill.