Review | The Flash – 2ª Temporada

flash-season-2-posterA boa primeira temporada de The Flash impôs aos produtores do canal CW o desafio de superar as expectativas ou, ao menos, manter o mesmo nível na segunda temporada, que começou morna e foi lapidada durante o desenvolvimento da série, para a alegria dos fãs. A segunda parte da história de Barry Allen (Grant Gustin) foi no mínimo ousada, uma vez que resolveu entrar de vez na ficção científica e na física teórica, sem medo de causar uma confusão no telespectador. Aqui pudemos nos aprofundar nas teorias do multiverso (bastante conhecido e usado pela DC Comics), além de outros temas bastante intrincados como teorias de força de aceleração e alterações do espaço-tempo e suas linhas temporais alternativas. Podemos dizer que, além das boas subtramas que praticamente todos os personagens estavam envolvidos, foram esses os assuntos principais dessa temporada.

E não é por menos.

Por conta dos adventos ocorridos no season finale da temporada anterior, o Flash, por ter salvado Central City de um colapso, participa do seu primeiro Flash Day quando é atacado pelo Esmaga Átomo. Porém, quando Cisco Ramon (Carlos Valdes) e Caitlin Snow (Danielle Panabaker), cientistas do S.T.A.R Labs, descobrem a identidade do vilão, percebem que ele já havia sido morto há um bom tempo. É quando temos o primeiro contato com Jay Garrick (Teddy Sears), um velho conhecido dos quadrinhos. Garrick, que também é um velocista, alega estar preso nessa Terra há alguns meses depois de ser sugado por um buraco negro aberto na sua versão de Central City enquanto lutava com seu mais poderoso inimigo, o velocista Zoom (voz de Tony Todd). Todos chegam à conclusão que tal buraco é o mesmo do final da temporada anterior que serviu de portal entre as Terras. Não demora muito para perceberem que a chuva de vilões meta-humanos dali para frente com o único objetivo de capturar o Flash estão sob o comando do demoníaco Zoom. Com a ausência do Flash da Terra 2, Zoom conquistou aquela Central City. Desses vilões, devemos destacar o Tubarão Rei, que, assim como o gorila Grodd, foi feito completamente num convincente CGI. Vale destacar que na primeira aparição do gigante monstro, Flash é salvo pelo Dr. Harrison Wells (Tom Cavanagh) da Terra 2 que decide capturar os meta-humanos e derrotar Zoom para salvar sua filha Jesse (Violett Beane). Foi formada, portanto, a premissa principal de toda a temporada. Cabe ressaltar a performance de Cavanagh, o melhor ator disparado do elenco.

flash and jay garrickComo dito anteriormente, todos os personagens tiveram seus arcos e subtramas bem desenvolvidos. No caso da família West, Joe (Jesse L. Martin) e Iris (Candice Patton) são surpreendidos por Francine West (Wanessa Williams), esposa de Joe e mãe de Iris que acreditava estar morta. Francine, arrependida de seu passado regado a bebidas e drogas, pede uma segunda chance a Joe para que possa conviver um pouco com sua filha, uma vez que possui uma doença incurável e está há poucas semanas da morte. Ela também traz consigo outro conhecido dos fãs, Wally West (Keyinan Lonsdale), o filho cujo detetive Joe jamais soube de sua existência. Tal acontecimento imprime ao núcleo familiar uma dinâmica interessante, haja vista que, mesmo sendo pai e filho, são duas pessoas que não se conheciam. Importante mencionar que Joe virou o detetive chefe da subdivisão criada especialmente para cuidar da atividade meta-humana na cidade por causa de sua parceria com o S.T.A.R Labs. A primeira agente a se inscrever ao programa é a jovem Patty Spivot (Shantel VanSanten), uma ótima personagem, durona, com um potencial enorme, mas que foi, de certa forma, mal aproveitada, uma vez que serviu apenas para ser interesse amoroso de Barry Allen.

Cisco e Caitlin Snow, juntamente com o Dr. Wells, aqui abreviado de Harrison para Harry, continuam a ajudar Joe e Barry. Porém, Cisco, por conta da explosão do acelerador de partículas logo no início da primeira temporada, adquiriu poderes que só agora começa a controlá-los, o que traz uma dinâmica interessante, uma vez que o jovem cientista, muitas vezes, foi primordial para a solução de algum impasse durante a temporada. Já Caitlin, a personagem mais fraca de toda a série, teve momentos de protagonismo, já que conhecemos a sua versão diabólica da Terra 2, a Nevasca.

Além da trama principal, tivemos alguns outros bons momentos, como o retorno do gorila Grodd, Capitão Frio (Wentworth Miller) e do Trapaceiro (Mark Hamill) e da estreia da personagem Kendra Saunders (Ciara Renee) desde o começo da temporada. Sua aparição na série foi para dar origem ao crossover com Arrow e Legends Of Tomorrow. Desta vez, podemos dizer que a reunião dos heróis foi completa, uma vez que Vandal Savage (Casper Crump) tenta assassinar Saunders, a Mulher-Gavião, o que obriga o “Team Flash” a pedir ajuda ao Arqueiro Verde e sua equipe, desta vez contando com todos os personagens das duas séries mais o Gavião-Negro (Falk Hentschel). Esse episódio serviu como aquecimento para a já citada série Legends Of Tomorrow.

Os crossovers com Arrow não pararam por aí. Ainda tivemos um episódio com o Tubarão Rei, no qual a equipe do S.T.A.R Labs conta com a ajuda da A.R.G.U.S, mais precisamente de John Diggle (David Ramsey) e Lyla Michaels (Audrey Marie Anderson), além de produzir a aparição vilanesca de Laurel Lance (Katie Cassidy) em sua versão da Terra 2 para a Canário Negro, aqui chamada de Dark Siren, cujos poderes são exatamente como nos quadrinhos. E ainda tivemos a viagem sem querer de Flash à Terra 3 para fazer uma participação especial na série da Supergirl que agora passará a ser produzida pela CW.

No decorrer dos episódios, podemos perceber que a trama principal é severamente mais séria e urgente e a história passa a se centrar nas motivações de Zoom, que quer a todo custo a velocidade do Flash, e na identidade do “homem da máscara de ferro” preso em seu covil. Isso entrega ao telespectador e, principalmente ao fã um final de temporada emocionante e ao mesmo tempo chocante, que chega a fazer um link com o antigo seriado do Flash nos anos 90, estrelado por John Wesley Ship que faz Henry, o pai de Barry Allen, englobando ainda mais a teoria do multiverso. Não só pelo que aconteceu, mas também pelo que está por vir por conta da última atitude de Barry Allen nessa temporada, abrindo um leque enorme de opções e caminhos a seguir daqui para frente, algo que pode dar muito certo ou muito errado. De qualquer forma, os produtores têm uma ótima oportunidade de consertar aquilo que deu errado na série. O ponto de ignição foi marcado.