Cinema

Crítica | Sem Filtro: Flamengo

Compartilhar

Especial do serviço de streaming focado em esportes, a plataforma Dazn,  Sem Filtro: Flamengo era uma série de documentários sobre a trajetória do time do Clube de Regatas do Flamengo na jornada da Copa Libertadores da América de 2019, e após alguns episódios, o conteúdo foi compilado em forma de filme, dirigido por Flávio Barone. O produto original da DAZN tem um cunho emocional e informativo.

As entrevistas variam entre repórteres que cobrem o dia a dia do clube, os funcionários de alta diretoria como Marcos Braz, gente do departamento médico, roupeiros e claro, craques como Bruno Henrique, Gabigol, Rafinha, Rodrigo Caio, e jornalistas como PVC, que a época estava trabalhando na Fox Sports, que é a detentora da exibição da competição continental. É curioso como, ao focar na jornada sul americana, não há qualquer citação a Abel Braga, treinador que conduziu o rubro negro carioca na primeira metade do ano, correspondente a primeira fase do continental.

Já na chegada do técnico português Jorge Jesus, se foca muito nas dificuldades que o sujeito poderia ter dado que jamais havia trabalhado em terras sul-americanas – e teve, nas decisões contra o Emelec e contra o Athletico Paranaense pela Copa do Brasil – tampouco sabia como funcionavam as competições disputadas no Brasil, achatadas em um calendário repleto de jogos em poucos dias. Esse momento é bem agridoce, mas o foco é no emocional e na torcida, não se aprofundam muito nas informações, no fato  de JJ não poupar muito os jogadores, ou a tal maratona, e dado que esses aspectos foram muito explorados no noticiário esportivo, é um alívio que a DAZN tenha escolhido não fazer isso neste Sem Filtro.

Há alguns efeitos visuais legais, que brincam com  as cores e filtros, emulando o estilo de postagens em redes sociais, o que perde no documentário é a ausência de cenas reais dos jogos, talvez pelo fato da DAZN não ter direito aos jogos analisados, provavelmente, todo esse estilo visual se deu para compensar essa ausência. Há também uma contagem regressiva para o título, além de alguns detalhes  de treinamento do lusitano, principalmente de goleiros. Isso é algo curioso, uma vez que pouco se sabe da rotina de treinos e preparação de Jorge Jesus, uma vez que ele não abre suas sessões para a imprensa e muito raramente faz isso a torcida.

Os jornalistas que prestam depoimento falam na possibilidade do treinamento ser dividido em dois setor, um físico e outro emocional. Para eles, Jesus motiva os jogadores muito nesse sentido. Se destaca que mesmo no sacrifício, jogadores se entregam em intensidade. O destaque dado a torcida também é grande, e por mais clichês que Sem Filtro: Flamengo traz, o modo como se aborda a paixão pela agremiação e pelo esporte em si é muito verdadeira, mexe demais com as sensações dos que torcem pelo rubro negro carioca e não carece de um cunho emotivo e espirituoso.

Filipe Pereira

Filipe Augusto Pereira é Jornalista, Escritor, quer salvar o mundo, desde que não demore muito e é apaixonado por Cinema, Literatura, Mulheres Rock and Roll e Psicanalise, não necessariamente nessa ordem.
Veja mais posts do Filipe
Compartilhar