Literatura

[Resenha] A Ira de Nasi - Mauro Betting e Alexandre Petillo

Compartilhar


A Ira de Nasi - capa

O leitor pode reconhecer o início desta história: grupo de amigos se reúne para distrair-se do tédio e monta uma banda despretensiosa com o intuito de passar o tempo. Nasce uma afinidade que mantém uma unidade íntegra e, em poucas apresentações, o grupo começa a ter um retorno de seus poucos fãs e reconhece que as canções produzidas são autênticas.

A trajetória de paz e de luta de Marcelo Valadão, o Nasi, é uma destas jornadas movimentadas pela paixão musical. Dentro do rock´n roll brasileiro, muitas bandas desenvolveram-se no mesmo habitat – por isso uma falsa ideia de história conhecida surge a princípio – e músicos que hoje são aparentemente distantes dividiram, em outros tempos, bebidas, drogas, mulheres e indicações mútuas que em muitas vezes garantiram shows em casas renomadas e recomendações para contratos com grandes gravadoras.

A Ira de Nasi, dos jornalistas Mauro Betting e Alexandre Pettilo, vai além da biografia do cantor da banda Ira!. Parte das experiências do cantor para identificar a cena musical de São Paulo, o surgimento do Ira! e como tanto Marcelo quanto Nasi – personagens que serão dissociados na vida do músico – atravessariam estas jornadas.

Ira

 Ira! em início de carreira

De ascendência italiana, a infância do pequeno Valadão é apresentada brevemente, situando somente o necessário para que se compreenda o ambiente familiar e a sociedade da época. Além das primeiras fagulhas que despertaram o gosto pela música, o enfoque mais interessa ao leitor. Através desta expressão artística surgiria Nasi definitivamente, um apelido vindo da faculdade e transformado em uma espécie de personagem truculento, que nunca levava desaforo para casa, seduzia mulheres - sozinhas ou acompanhadas -, e dono de um grande poderio vocal grave. Uma contraposição com o homem Marcelo, mais doce e mais sensível às experiências da vida.

A história deste homem duplo cresce ao lado da cena do rock paulistano. A obra transita entre a biografia íntima de Nasi e a apresentação dos primeiros movimentos do rock paulistano, da cena punk da época e de como o Ira!, após flertar com o estilo, rompe com qualquer denominação e, mesmo reverenciado, começa a se tornar um incômodo para outras bandas que também representavam boa parcela do público que assistia a elas. A música representava um grito de rebeldia contra o sistema e alinhava, além da revolta, outros sentimentos divididos pelas juventude. Na época, a expressão musical ainda era representativa, como um movimento capaz de questionar a sociedade e gerar discussões e polêmicas.

O livro produz uma narrativa mista entre biografia e a trajetória do rock brasileiro com depoimentos diretos – em que há um parágrafo específico para as falas – do próprio Nasi e de outros escolhidos pontualmente, dando firmamento aos causos apresentados. Enquanto acompanha a trajetória do Ira!, os capítulos são iluminados por histórias por trás de grandes álbuns do rock brasileiro. Discos que ao público soam perfeitos mas que, aos ouvidos da banda e da produção, foram vistos ora de maneira simplista, ora geniais ou carregados de problemas internos que nem sempre transpareceram no exterior das canções e que eclodiram na década de noventa em uma derrocada na vida de Nasi por diversos ângulos.

acustico_ira

No Acústico MTV, um dos pontos altos da banda com mais de 300.000 álbuns vendidos

O rock brasileiro estava em baixa e outros ritmos tornavam-se populares e queridos ao público e gravadoras. Em consequência disso, o Ira! sentia-se menos criativo do que a excelente década de oitenta, mas ainda estava na obrigação contratual de apresentar novos álbuns. O vício em drogas agravava as amizades de Nasi e foi responsável por minar boa parte de sua verba conquistada nos últimos anos. Marcelo tornou-se amigo íntimo de traficantes e foi responsável por festas memoráveis regradas a drogas e bebidas. Diz o músico, porém, que no momento que tal fonte secou, os amigos desapareceram e, sozinho, teve de superar seus problemas.

Os depoimentos do cantor atravessam a própria trajetória e são carregados de sinceridade, como um fiel que expia seus pecados a um padre. Ao recontar sua própria história, Marcelo revive-a com outros olhos. Como um anti-herói, assume que nunca foi santo. Mulherengo, dedicado aos vícios, viveu de maneira intensa, mas reconhecendo os frutos podres que colheu. Entre a violência gerada por si mesmo e contra si próprio, foi capaz de observar-se no fundo do poço e, por escolha, dar passos para sair dele, internando-se em uma clínica de reabilitação. A maturidade possível surgida com a idade potencializa mudanças em um novo momento de Nasi. Reconhecendo a vida dupla que viveu por muito tempo entre Nasi e Marcelo, aos poucos, reconecta-se com sua própria essência. Entrega-se ao candomblé, encontra guias como padrinhos e ressurge em uma versão melhorada e mais consciente de si mesmo.

A biografia encerra a história anos antes do reencontro com o amigo Edgar Scandurra e a volta da banda Ira!. Na ocasião, Nasi lança o disco solo Perigoso, trilhando mais passos de seu caminho pela música. Talvez não esperava que retornaria aos palcos com uma das bandas maiores representantes do rock brasileiro.

A carreira de músicos, principalmente envolvidos no rock 'n' roll, caracteriza-se por deliciosas histórias cíclicas, pontuadas por altos e baixos, como bons acordes agudos de guitarra. Mesmo que a origem de muitas carreiras tenha um ponto de partida em comum, a Ira de Nasi é um registro da trajetória que adensa a figura pública e revela o humano por trás da máscara, merecendo o testemunho do leitor que, compartilhando a história, também vive para contar.

Compre aqui.

S11 ARQUIVO 12-03-2008  GUIA DIVIRTA-SE - o cantor Nasi   FOTO DIVULGACAO

Thiago Augusto Corrêa

Apreciador de cinema, literatura, quadrinhos e música. Formado em Letras, escritor e metido a sabichão.
Veja mais posts do Thiago
Compartilhar