Quadrinhos

Resenha | O Beijo Adolescente - 1ª Temporada

Compartilhar

Correndo o risco de deslizar no jargão comum por ser um grande autor excessivamente citado, Nelson Rodrigues afirmou uma vez que "o jovem tem todos os defeitos do adulto e mais um: o da imaturidade”. Uma frase que versa sobre a adolescência, época em que a vida é estabelecida pelo hoje vigoroso, evitando a compreensão a longo prazo, um dos fatores primordiais ao amadurecimento.

É no período da adolescência que há descobertas diversas. O jovem se torna um ser questionador e confronta a si mesmo, a sociedade, saindo da própria casca. Assumindo pequenas responsabilidades, promovendo rebeldias, sem medo de ser iconoclasta. É nesse universo que Rafael Coutinho retrata O Beijo Adolescente, inicialmente publicada online no portal de quadrinhos do IG e posteriormente lançada em edição física pela Cachalote. Seguinte a vertente da narrativa autoral sem deixar de lado o universo dos super-heróis, o autor apresenta uma boa composição entre imagem e diálogo, representando com qualidade o que significa a nona arte.

A composição da edição causa impacto desde o início por seu formato, gigante se comparado aos álbuns tradicionais. Fato que proporciona maior espaço para se atentar aos detalhes de cada cena bem como possibilidade mais quadros a cada página. Na trama, somos apresentados ao jovem Ariel que, após o primeiro beijo, descobre o super poder de vomitar arco-íris. A partir desse acontecimento, ele conhece outros jovens com poderes que formam o grupo Beijo Adolescente.

A vertente autoral conduz a história devido a trama reflexiva que pontua a velocidade da adolescência em desejar viver intensamente, ao mesmo tempo em que muitos jovens se sentem deslocados no mundo. Tratando-se do primeiro beijo, é bastante simbólico o poder do jovem, afinal, a expressão “vomitar arco-íris” simboliza a ideia de um momento positivo e bonito ao extremo. Aliando o texto com a metáfora sobre essa fase, os traços e a coloração se alinham a trama. O mundo adulto é retratado em preto e branco e os adolescente com cores. Embora a juventude não seja um período maduro, ao menos, é o momento de maior experimentação para grande parcela dos seres, sem a trava da responsabilidade demarcando território e uma vontade ímpar de procurar algum significado na vida.

O grupo intitulado O Beijo Adolescente é uma simbologia a velocidade da juventude, as formas pelas quais o jovem procura se adequar em seu próprio mundo em construção, cheio de urgências e necessidades. Juntos a equipe presta uma reverência a essa nobre fase da vida, difícil quando se vive, nostálgica quando colocada em perspectiva diante do mundo adulto.

Apresentando uma dinâmica diferente, Coutinho optou por nomear cada álbum da série como temporadas, dessa forma, ao final da leitura, finalizamos a primeira temporada da série, com mais duas lançadas posteriormente.

Acompanhe-nos pelo Twitter e Instagram, curta a fanpage Vortex Cultural no Facebook, e participe das discussões no nosso grupo no Facebook.

Thiago Augusto Corrêa

Apreciador de cinema, literatura, quadrinhos e música. Formado em Letras, escritor e metido a sabichão.
Veja mais posts do Thiago
Compartilhar