Reviews

Review | Fora de Hora – 1ª Temporada

Compartilhar

Comedia em formato de telejornal, o semanal Fora de Hora sofreu com a pandemia do novo Coronavirus (Covid 19), teve seu número de episódios reduzidos para nove capítulos e mais um que recapitula tudo, estava programa para ir ao ar até Abril mas encerrou antes. Criado por Caito Mainier e Daniela Ocampo, com redação final de Mainier e Mauricio Rizzo e supervisão artística de Marcius Melhem e Ocampo. O programa parece uma esquete em formato de paródia dos telejornais, semelhante ao que fazia Tá no Ar: A TV na TV, mas voltada basicamente para programas de informações.

O programa tem dois âncoras, Paulo e Renata, feitos por Paulo Vieira e Renata Gaspar, que tem em comum não só seus primeiros nomes, mas também boa parte dos detalhes de suas formações e origens – Paulo é do Tocantins, como sua contra parte ator, por exemplo. Além disso, toda vez que o programa se inicia há uma piada criativa com o modo como a câmera age, seja se aproximando demais no close, ou indo para trás da bancada ou algo que o valha.

Há um cuidado da produção em resgatar os bons momentos de outros humorísticos da Globo, dando vazão a números musicais e muitas imitações de políticos e de celebridades brasileiras e algumas do exterior, e é nesse ínterim que Marcelo Adnet e Welder Rodrigues brilham, seja no Jair Bolsonaro, Donald Trump ou Sergio Moro (Adnet) ou no Paulo Guedes (Welder). O fato do governo brasileiro ter se atrapalhado tanto no inicio de 2020 facilita é claro o trabalho dos redatores, que não conseguem ser criativos o suficiente para lidar com um deboche que soe escapista e distante da realidade.

Além dos apresentadores, há alguns personagens, que variam entre boas apresentações e outras nem um pouco inspiradas, Mainier faz Pedro Resedá, uma versão de Datena/Marcelo Rezende, Veronica deBom faz Fabíola Argento, uma sensacionalista defensora do consumidor, Luciana Paes faz a sanitarista insana Clarissa Girão, ou o figurante com delírios de grandeza Miltinho, de Luis Lobianco. Há também reaparições, como o Ubirajara Dominique, o indio de Ta no Ar e muita piada com Big Brother Brasil, e isso deixa o espectador que não consome o Reality Show um pouco aéreo, divergindo um pouco da máxima de se valer do noticiário comum.

Há uma intenção de primar por naturalidade, não são poucos momentos em que Vieira ou Gaspar deixam escapar risadas graças ao desempenho dos que visitam a mesa central do Fora de Hora. A atualidade é tão influente que no roteiro, se prevê que personagens estejam contaminados, e impossibilitados de aparecerem, inclusive antes da quarentena ocorrer. Os efeitos externos atrapalharam demais o trabalho, resultando em alguns momentos altos, especialmente as canções a respeito do governo e as críticas ao modo se toca a educação, economia cultura no governo Bolsonaro, mas claramente parecia haver mais a discutir e mais a aprofundar, o que se espera é que a segunda temporada não seja tão conturbada quanto esta.

Filipe Pereira

Filipe Augusto Pereira é Jornalista, Escritor, quer salvar o mundo, desde que não demore muito e é apaixonado por Cinema, Literatura, Mulheres Rock and Roll e Psicanalise, não necessariamente nessa ordem.
Veja mais posts do Filipe
Compartilhar