Cinema

Crítica | Zoom

Compartilhar

Zoom - Poster

Novo trabalho do jovem diretor Pedro Morelli, a coprodução (Brasil-Canadá) Zoom chega aos cinemas apresentando histórias interligadas que explicitam de maneira regular o recurso da metalinguagem e das multitelas.

Como um ouroboro - a serpente que morde a própria cauda - o filme de Morelli nos apresenta a quadrinista Emma (Alison Pill), uma jovem que trabalha numa loja de bonecas sexuais e tem na arte um escape para a não aceitação do próprio corpo. Em meio a transas com seu colega de trabalho durante o expediente, Emma também se dedica à criação de uma história em quadrinhos que narra as aventuras de Eddie, um cineasta de filmes de ação interpretado por Gael Garcia Bernal. Eddie tenta provar para o mercado que é capaz de dirigir um filme mais artístico e, para tal, escala Michelle (Mariana Ximenes) como protagonista de seu longa-metragem. Por sua vez, Michelle quer mostrar para o mundo que é mais do que um corpo perfeito. A modelo/atriz decide então escrever um romance, que nos conta justamente a vida de Emma, a quadrinista.

Temos assim um triângulo equilátero perfeito. Uma trama se desenrola (e interfere) na outra. É curiosa a escolha do diretor em trabalhar, inclusive, estilos diferentes em cada uma das narrativas que compõem o filme. Se a história de Emma tem ares de comédia nonsense de baixo orçamento, o arco de Michelle faz lembrar o cinema de ação dos anos 90, com suas plot twists e algumas explosões de gosto duvidoso.

DPX Plus File Description Byte Order: Big Endian Version: V1.0 File Size: 7151616 Ditto Key: 1 (new frame) Generic Size: 1664 Industry Size: 384 User Size: 0 File Name: /Volumes/Entretenimento3/C_2014_072_ZOOM/feature/02_BRUTO/NATIVO/A083/A083R357/A083C004_140622_R357 Creation Date: 2015:03:16:15:12:33:BRT Creator: Nuke Project: Copyright: Encrypt Key: 0xffffffff (unencrypted) Width: 2048 Height: 872 Image Orientation: Left to Right, Top to Bottom Number of Elements: 1 Pixels Per Line: 2048 Lines Per Element: 872 Offset: [0, 0] Center: [1024, 436] Original Size: [2048, 872] Source Image File Name: Source Date: Input Device: Input Device Serial Number: Border: [0, 0, 0, 0] Pixel Aspect Ratio: 1200 / 1200 Scanned Size: [0, 0] Film Edge Code: Format: Frame Position: 0 Sequence Length: 4294967295 Held Count: 4294967295 Frame Rate: 48 Shutter Angle: 0 Frame ID: Slate Info: Time Code: 17:27:44:23 User Bits: FF:FF:FF:FF Interlaced: No Field Number: 255 Signal: Unknown Horizontal Sample Rate: 0 Vertical Sample Rate: 0 Temporal Frame Rate: 0 Time Offset: 0 Gamma: 0 Black Level: 0 Black Gain: 0 Break Point: 0 White Level: 0 Integration Times: 0 =Element 1= Signed: No Low Data: 4294967295 Low Quantity: 0 High Data: 4294967295 High Quantity: 0 Descriptor: R, G, B Transfer: Linear Colorimetric: User defined Bit Depth: 12 Packing: Filled to 32-bit words, method A Encoding: None Data Offset: 8192 End of Line Padding: 0 End of Image Padding: 0 Description:

O maior acerto aqui se dá justamente na trama interpretada por Bernal. Todo estilizado em quadrinhos, é esse segmento do todo que consegue de fato atingir o objetivo principal de um produto cinematográfico: entreter. Feito em rotoscopia, as cores, a fluidez do texto e timing cômico impressionam e falam muito sobre a personalidade da equipe por trás do projeto.

As atuações são um ponto bastante positivo. Embora Mariana Ximenes tropece em algumas cenas, é possível perceber o esforço da atriz ao interpretar uma personagem que também é atriz, em outro idioma e em um universo (roteiro) pouco crível. Alison Pill resolve bem suas cenas, mas é a menos desafiada pelo papel. Já Gael interpreta debaixo de camadas de recursos gráficos que ajudam a construir o universo dos quadrinhos. Ainda assim, o talento do ator fica evidente. São dele também os melhores parceiros de cena, o que contribui muito para sua boa performance.

Zoom está longe de ser um filme ruim. O problema aqui está na disparidade entre aquilo que o projeto promete e o que ele de fato entrega. Não é fácil para o espectador ‘cruzar a ponte’ entre territórios tão distintos e, por vezes, assistir às passagens de uma plot para outra torna-se um exercício cansativo e burocrático. No momento em que as três pontas do triângulo se cruzam, o longa ganha fôlego e possui seus bons momentos. Entretanto, as histórias individuais não se sustentam sozinhas. Sobra estilo, audácia, competência técnica e a assinatura de um diretor que não faz mais do mesmo. Mas falta a base para um bom filme: um bom roteiro.

-

Texto de autoria Marlon Eduardo Faria.

Vortex Cultural

Um autômato a serviço do site... ou não.
Veja mais posts do Vortex
Compartilhar