Top 10 – Filmes de Natal

Aproveitando a data festiva, me juntei ao Rafael, e chegamos à um consenso em uma lista de 10 filmes para indicarmos. Alguns desses filmes tem o Natal como plano de fundo da história, outros são praticamente um personagem dentro da trama. Como não poderia deixar de ser, muita coisa ficou de fora, mas tem dicas para todos os gostos.  Confira nossas indicações abaixo.

Esqueceram de Mim, de Chris Columbus (Por Rafael Moreira)

Numa boa, quem nunca viu esse filme na Sessão da Tarde, ou nos “especiais de natal” da Globo, ou é muito novo, ou não teve infância. O filme que explodiu a fama de Macaulay Culkin, esquecido pela família que foi viajar no Natal, fazendo o diabo com os dois ladrões que tentam invadir a casa que pensam estar vazia. Diversão pura e simples. Com um bônus que beira o surreal, Joe Pesci, que no mesmo ano faz um mafioso e cascudo em Os Bons Companheiros, faz aqui Harry, um dos ladrões tapados da história, escolha certa para o Natal com a família.

O Espião Que Sabia Demais, de Tomas Alfredson (Por Flávio Vieira)

Dono de uma narrativa muito diferente daquela que nos acostumamos a ver em filmes de super-espiões, O Espião que Sabia Demais tem uma atmosfera fria e nublada, contudo, contemplativa e romântica  de personagens solitários e possuidores de uma visão angustiantes, mas ainda assim extremamente humanos. O que tudo isso tem a ver com o Natal? Quase nada, exceto que o filme se passa durante o período natalino, com um destaque especial para a sequência final ao som de La Mer, na interpretação de Julio Iglesias.

Brazil, de Terry Gilliam (Por Rafael Moreira)

Entre viagens oníricas de Sam Lowry e aparições do nada de Harry Tuttle (Robert De Niro), vemos Mr. Helpman fantasiado de Papai Noel avisando que Jill Layton foi morto, duas vezes. Vai entender porque a cabeça maluca do Terry Gilliam quis localizar o tempo do filme justamente no natal. Talvez seja uma tentativa de contrastar ainda essa época clamada por ser de amor, paz e bla bla bla, com aquele universo frio e mecanicista criado no filme. Ou talvez seja uma critica ao natal e ao consumismo vindo com ele, que representam muito da nossa sociedade, enfim vai entender o Gilliam, o negócio é assistir porque Brazil é um filmaço de distopia, que deve fazer seu natal bem depressivo, como deve ser.

Edward Mãos de Tesoura, de Tim Burton (Por Flávio Vieira)

Houve um tempo que as bizarrices de Tim Burton vivia conjuntamente com sua sensibilidade artística, algo que parece esquecido pelo diretor já há algum tempo. No entanto, esse não é o caso de Edward Mãos de Tesoura. O personagem de Edward é um contraponto à uma sociedade que dita como ela deve se portar, que apesar de todas as sombras contidas no personagem, nota-se uma extrema inocência, tudo isso somado à direção de arte de cair o queixo. Um lindo conto de natal.

Duro de Matar, de John McTiernan (Por Rafael Moreira)

Duro de Matar é outro que dispensa qualquer apresentação, um dos melhores filmes de ação de todos os tempos, e é claro se passa no Natal. Quem se lembra do presentinho de Papai Noel que John McClane manda para Huns Gruber, com um “Agora eu tenho uma metralhadora” HO HO HO. Sem contar logo no início, quando o ele pergunta para o motorista que acabou de colocar o rap “Run DMC – Christmas In Hollis” no toca-fitas do carro, se ele não tem nenhuma música de natal, o chofer responde, “Isso é música de Natal.”

A Felicidade Não se Compra, de Frank Capra (Por Flávio Vieira)

Eleito como o melhor filme de Natal de todos os tempos, pelo Rotten Tomatoes, não haveria como deixar de citá-lo nessa lista. A Felicidade não se Compra é uma linda história de redenção e toca em temas básicos mas fundamentais a todos nós como honestidade, compaixão e solidariedade. Apesar de pra muitos ser analisado nos dias de hoje como um filme bobo, o filme trata de valores da vida e sobre a ganância do ser humano. De 1946 mas ainda extremamente atual.

A Vida de Brian, de Terry Jones (Por Rafael Moreira)

Quem diria, uma singela lista de 10 filmes de natal, e o Terry Gilliam envolvido em 2 desses filmes, mas aqui só como roteiro, já que a direção é do Terry Jones. Mas enfim, esse é um dos clássicos filmes do Monty Python, e mais natalino impossível, já que a história toda gira em torno de um cara que nasceu no mesmo dia que Jesus, e acho uma das melhores comédias de todos os tempos.

O Estranho Mundo de Jack, de Henry Selick (Por Flávio Vieira)

O Musical dirigido por Henry Selick e escrito e produzido por Tim Burton traz uma das mais bizarras histórias natalinas. A animação é realizada com bonecos de massinha em stop-motion e uma direção de arte lindíssima, com destaque especial para a paleta de cores quase monocromática na Terra do Halloween e as cores quentes e intensas na Terra do Natal, com uma ambiguidade visual presente no design do protagonista e o antagonista do filme, enquanto Jack veste roupas de cores pálidas que se tornam reluzentes frente à beleza do Natal, Papai Noel com seu vermelho vivo surge completamente apagado. Filme riquíssimo visualmente.

Máquina Mortífera, de Richard Donner (Por Rafael Moreira)

Outro filmaço de ação, Mel Gibson no começo de carreira com cara de alucinado, que pelo menos que se passa na época do Natal, mas acredito que não nos especias de fim de ano para a família 🙂 Mas quem se lembra da cena de tensão absurda do suicídio? Está lá passando na TV um especial de natal do Pernalonga, oras. Além do filme começar tocando Jingle Bell, e a transação das drogas que culmina naquela loucura do Mel Gibson, “Atire nele! Atira!” com cara de psicopata, é feita num caminhão vendendo árvores de natal. Com tudo isso ainda temos a lição moral típica desses filmes, com o Mel Gibson aprendendo a dar valor a sua vida, e o Danny Glover percebendo que não deve ter preconceito contra policiais malucos.

Um Homem de Família, de Brett Ratner (Por Flávio Vieira)

Nicolas Cage com toda a pieguice e previsibilidade que só o Natal traz, mas esqueçamos tudo isso, afinal o Natal é piegas por si só, e muitos de nós adoramos isso. De 2000, quando nosso amigo “Gaiola” ainda não tinha se rendido a roteiros sem ao menos lê-los, Um Homem de Família traz um conto de Natal ao melhor estilo A Felicidade Não se Compra, de Frank Capra (mencionado acima), repleto de clichês, mas com um elenco carismático e repleto de sensibilidade.

Menções honrosas a grandes filmes como: Duas semanas de prazer, Inferno 17, Feliz Natal, De ilusão também se vive, Uma história de Natal, O Natal dos Muppets, Trocando as bolas, Conto de Natal, Um Herói de Brinquedo, Gremlins, , Férias Frustradas de Natal, Beijos e Tiros, Milagre na Rua 34, Batman – O Retorno, Um anjo caiu do céu, Simplesmente Amor, Caiu do Céu, Rocky IV, Operação Presente, Senhores do Crime, A Loja da Esquina, De Olhos Bem Fechados, Na Mira do Chefe, Se Meu Apartamento Falasse, Papai Noel das Cavernas, Fanny e Alexander, Snoopy – O Natal de Charlie Brown, Os Fantasmas Contra-atacam, entre tantos outros de todos os gêneros possíveis e inimagináveis.

É isso galera, independente da religião ou crença de cada um, celebremos essa data com nossas pessoas queridas e que cada um esteja em paz com seus amigos e familiares. Desejamos à todos um Feliz Natal.